SRAVANADI-BHAKTI

Itapecerica da Serra/SP, Brasil
01 Janeiro, 2015



Sevavritti, mamata e sambandha que se manifesta de sravanadi-bhakti: O que significa sravanadi-bhakti?

Quando Bhakti se manifesta no coração de alguém, significa que esta pessoa alcançou gosto em ouvir hari-katha dos lábios de um vaisnava elevado.

Quando bhakti [devoção] se manifesta, diferentes sintomas aparecem, principalmente a tendência da pessoa em servir Krsna e Sri Guru.

Quando bhakti se manifesta em um coração, sevavritti [tendência de servir], mamata [possessividade] e sambandha [conhecimento sobre o relacionamento com Sri Bhagavan] irão aparecer.

Mamata se expressa no sentimento de que aquele pessoa pertence à mim e eu pertenço àquela pessoa.

Os habitantes de Vraja possuem muito mamata [possessividade], sentindo que Krsna pertence a eles. Por isto eles possuem tanto amor e afeição por Krsna, e constantemente desejam servir Sri Krsna.

As vacas, as árvores, todos os serem animados e inanimados em Vraja tem este sentimento de possessividade [mamata], de que Krsna pertence a eles. Sempre pensando em como servir Krsna, e como Krsna irá vir até eles.

Em Vrindavana todas as entidades são conscientes.

Uma entidade que tem consciência manifesta três sintomas: sentir, desejar e conhecer.

Em Vrindavana, até mesmo a areia do Yamuna tem esta afeição por Krsna, esperando quando ele irá até lá.

Mas como é possível que a areia do Yamuna possa servir Krsna?

Quando Krsna vem até as margens do Yamuna, a areia se transforma e fica macia como o algodão ou a neve.

Assim, vemos como o sentimento e a tendência de servir de todas as entidades de Vrindavana é forte.

Como alcançar este sevavritti que observamos nos habitantes de Vrindavan?

O coração da baddha jiva é comparada a uma pedra de gelo muito dura. Antes de ser gelo, a água era líquida, mas pela transformação do condicionamento material, ficou dura como o gelo. A natureza eterna da jiva é servir a Krsna, mas pela associação com maya [a energia ilusória de Krsna], esta natureza líquida se transformou em dura como gelo. Para a jiva voltar á sua natureza original, deve servir guru, vaisnava e ouvir o hari-katha do sadhu elevado.

O sadhu e vaisnava através do seu hari-katha dissolverá o nó da ignorância do coração, e como um bastão, quebrará o gelo; e este gelo ser quebrado, significa remover todas as concepções equivocadas da jiva.

No livro Brhad Bagavatamrta, Srila Sanatan explica por qual razão a pessoa deve desenvolver apego profundo pelo sadhu e pelo vaisnava.

No Srimad Bhagavatam, as oração de Vritasura explicam como que se rendendo aos pés de guru, Krsna e vaisnavas, a vida de uma pessoa se torna bem sucedida.

As gopis sadhana-siddhas alcançaram Krsna pelo apego profundo que desenvolveram por Ele. Por consequência um desejo intenso no coração de ouvir hari-katha do vaisnava elevado entra no coração, manifestando sevavritti e mamata.

Ou seja, quais os sintomas deste apego profundo? sevavritti e mamata.

Quando adquirimos apego por alguém, a tendência de sempre satisfazer esta pessoa se manifestará.

Se uma pessoa é apegada à outra pessoa, onde ela for, irá seguir o objeto de seu apego.

De alguma forma, este apego que vemos neste mundo material é um reflexo pervertido do que existe no mundo espiritual.

Então, na sua obra Pritti-Sandharba, Srila Jiva Gosvami explica que se oferecemos este apego a Krsna, nossa vida será bem sucedida.

O mesmo apego que possui por tudo neste mundo, a pessoa deve oferecer este apego para Sri Krsna, e desta forma a entidade viva irá subir em direção a Sri Krsna.

Em outras escolas (jñana), entende-se que se deve abandonar o apego. Mas para os vaisnavas devemos, ao invés de abandonar o apego profundo, transferir este apego para Sri Krsna (mudar a marcha, como a marcha do carro).

Quando uma pessoa come, naturalmente sua fome fica gradualmente satisfeita até ficar cheia. Da mesma forma, a pessoa que pratica Bhakti manifesta três sintomas.

Mas se comemos, nossa fome é aplacada e somente depois é que poderemos comer novamente.

Mas quando Bhakti se manifesta, a pessoa fica sempre insaciável, querendo mais e mais servir e ouvir sobre Krsna.

Devemos ouvir hari-katha até pelo menos que a fase de anartha-nivritti [eliminação dos mal-hábitos] apareça em nossa vida.

Quando a pessoa alcança este estágio, todas as coisas indesejáveis são destruídas. Mas ela irá parar de ouvir hari-katha? Não, ela irá ouvir mais e mais até alcançar prema. Quando prema se manifestar, esta pessoa irá obter o darsan de Sri Bhagavan e desmaiar. Portanto, devemos ouvir hari-katha “até cair”, como um bêbado, que somente para de beber após “cair”.

Bhakti é assim, contínua, incessante e ininterrupta.

Sri Raya Ramananda explica que ouvir hari-katha é a principal atividade de Bhakti, e conhecida como sravanadi-bhakti.

Por que sravanadi-bhakti é tão essencial? Porque desenvolverá no coração do sadhaka o desejo intenso de encontrar Krsna e a vontade irresistível de servir com profundo apego irá se manifestar neste mesmo coração.

No hari-katha, ela ouvirá o quão belo Krsna é e desenvolverá o desejo de ver encontrar Krsna pessoalmente.

Há uma história: Um ladrão era muito desafortunado. Ele sempre era flagrado furtando e consequentemente as pessoas batiam nele. Sua vida era sem sucesso, um fracassado.

Este ladrão foi em um templo e percebeu que as pessoas estavam ouvindo hari-katha completamente absortas, sem se importar com suas bolsas e pertences.

Então o ladrão pensou que ali era o local perfeito para ele roubar, pois as pessoas absortas no hari-katha não prestavam atenção a seus pertences.

Aquele ladrão veio no templo e ficou sentado na parte de trás. Ele não estava interessado em ouvir hari-katha. Simplesmente procurava qual era a maior bolsa e qual possuía mais dinheiro.

Naquele hari-katha, o sadhu estava palestrando sobre como Krsna era conhecido como o líder dos ladrões, o maior ladrão de todos os ladrões [makhan chori, o ladrão de manteiga].

Então naquele dia o orador estava glorificando a natureza de Krsna de ser o maior dos ladrões por furtar manteiga dos braja-basis.

Então o ladrão estava ouvindo como Krsna era um excelente ladrão e pensou como ele próprio era desafortunado por uma vida sem sucesso, e que deveria se render aos pés de um guru perito em roubar também.

Para ser bem sucedido em nossas vidas, temos que nos render em um guru que seja perito naquilo que desejamos.

O ladrão pensou: Eu nunca tomei abrigo em um guru qualificado na arte de roubar, por isto devo me render a Krsna que é o melhor de todos os ladrões.

O ladrão ouvia aquele hari-katha mas não tinha nenhum conhecimento de que Krsna era a Suprema Personalidade de Deus.

Quando terminou o hari-katha, o ladrão esperou que todas as pessoas fossem embora e no momento em que o orador estava sozinho perguntou: Ó, a respeito desse melhor ladrão de todos os ladrões [Krsna], você sabe onde Ele mora?

O orador era uma pessoa simples e disse: Sim, sim, este ladrão Krsna mora em Vrindavana, em Nandagaon.

Então o ladrão ouviu aquilo e decidiu que no outro dia bem cedo iria para esta Vrindavana encontrar este Krsna, que o ladrão considerava como se fosse uma pessoa comum.

Então o ladrão prosseguiu em direção à Vrindavana e começou a cantar Krsna Krsna Krsna, Vrindavana Krsna Vrindavana Krsna continuamente, para não se esquecer dos nomes.

Após cinco ou sete dias, o ladrão chegou caminhando em Vrindavana.

Coincidentemente por arranjo de Yogamaya, o ladrão chegou em Vrindavana e aquelas mesmas pessoas que estavam naquele hari-katha anterior, estavam agora fazendo a peregrinação em torno de Vrindavana lideradas por aquele orador que explicou para o ladrão onde ele poderia encontrar Krsna.

Agora, tanto o ladrão quanto aquele mesmo orador e aquela mesma plateia estavam em Vrindavana falando e ouvindo sobre a natureza de Sri Krsna, de como Ele usa uma pena de pavão e senta-se com Suas vacas e com Seus amigos durante o pastoreio.

Ouvindo aquele hari-katha novamente, o desejo intenso daquele ladrão aumentou ainda mais e decidiu que deveria ir até Nandagaon para encontrar este Krsna.

O ladrão ainda não imagina que Krsna era a Suprema Personalidade de Deus. Ele pensou: eu preciso ir até Nandagaon encontrar este Krsna que é o melhor dos vaqueiros de uma vez por todas.

Com conhecimento ou não, somente por pensar em Krsna, os anarthas no coração serão completamente dissolvidos.

O ladrão chegou bem perto de Nandagaon. Todos os dias a partir das oito da manhã, Sri Krsna leva seus bezerros para pastar.
Mas Krsna viu o ladrão e pensou: Ó, meu devoto veio até aqui somente para Me encontrar.

Krsna foi até o ladrão na forma de um jovem vaqueiro comum e Se apresentou com o nome de Khanya.

O ladrão perguntou: Você sabe alguma coisa sobre este Krsna?

Krsna disfarçado de vaqueiro disse: Sim, Ele mora em Meu vilarejo e logo em breve vai aparecer aqui, para as vacas pastarem.

Agora aquele ladrão e Krsna eram bons amigos e o ladrão perguntou para o vaqueirinho Khanya como era este menino Krsna.

Khanya disse: Se você fizer amizade com Krsna, Ele irá te contar tudo. Além do mais, Ele é o meu melhor amigo.

O ladrão disse: Ó Khanya, se ele é seu melhor amigo, me mostre como encontrar Krsna.

O ladrão respondeu: Eu me rendo completamente a você vaqueirinho Khanya. Por favor me mostre como encontrar Krsna.
O vaqueirinho Khanya disse: Não se preocupe. E mandou o ladrão segurar suas orelhas com as mãos e sentar e se levantar, depois andar para cima e para baixo, etc.

Como o vaqueirinho Khanya, o Senhor Krsna estava agindo na forma de guru, testando o ladrão.

O ladrão seguiu aquilo exatamente e Khanya entendeu que deveria mostrar sua verdadeira forma transcendental como Krsna.

Quando o ladrão viu Krsna, chorava e dizia: Como posso vir até aqui roubar alguma coisa ou pedir algo de você, Krsna, que é o meu melhor amigo?!

O significado desta história é que por meio do hari-katha, desejo intenso irá se manifestar, onde faremos tudo para encontrar Sri Krsna.

Este é o processo.

Se alguma pessoa senta na frente do sadhu com conhecimento ou não, bhakti irá se manifestar no coração desta pessoa.

Temos apenas que abandonar a duplicidade e hipocrisia.

Uma pessoa que ofende os vaisnavas nunca irá receber o darsan de Krsna.

Temos que abandonar todos os tipos de ofensas.

Esta sravanadi-bhakti é extremamente importante, pois ouvir hari-katha não é algo fácil.

Uma hora ouvindo hari-katha não é nada fácil. A mente perturbada fica para lá e para cá.

O corpo estará aqui ouvindo o hari-katha, mas a mente estará viajando por todo mundo sem visto e passaporte.

Agora outra história: Um poeta escreveu sobre Radha e Krsna muito belamente.

Ele contou como Sri Krsna chega no kunja de Srimati Radhika e depois que foi embora por ser rejeitado, Sri Radhika pensa: Ó, Krsna chegou no Meu kunja sem o respeito apropriado e mandei Ele embora.

[Observação: no katha anterior Srila Gurudev tinha contato um passatempo em que Sri Krsna se atrasa em um encontro por permanecer no kunja de Candravali e Srimati Radhika fica muito brava com Ele e o expulsa de seu kunja.]

Então este poeta belamente descreve este passatempo. Sri Radhika pergunta para as prana-sakhis Lalita e Visakha, o motivo pelo qual elas deixaram Krsna ir embora.

Srimati Radhika continuou a conversa com suas sakhis: Ó, vocês conhecem meu coração. Eu estava com man [ira transcendental] quando Ele chegou aqui, como vocês deixaram Krsna ir embora ?
Ela continuou dizendo que Krsna veio até o kunja Dela, mas que as prana-sakhis não O autorizaram a entrar. “O que fazer agora?...”

Então Srimati Radhika estava chorando e dizendo: Talvez Krsna permanecesse na porta de meu kunja...

Desta forma Srimati Radhika estava se lamentando e chorando, até que desmaiou.

Lalita e visakha estavam vendo aquilo e perguntaram: “Ó, Srimati Radhika, por que Você está chorando? Ó, Radhike, Seu Krsna veio até aqui e segurou Seus pés, mas por causa da Sua man, Você nem sequer olhou para Ele. Ó, Radhike, isto que houve não é nossa culpa. Krsna veio até Seu kunja, segurou Seus pés e Você nem sequer voltou Seu rosto para Ele...”

Assim Srimati Radhika chorava. Neste meio tempo Krsna voltou.

Lalita e Visakha disseram: Ó, Radhike, ouça! Krsna está tocando Sua flauta.

Mas podemos nos perguntar: O que Ele está tocando?

Srila Bhaktivinod explica que a flauta estava chamando Sri Radha. No humor de Sri Kamala Manjari, Srila Bhaktivinod Thakur revelou o que a flauta de Sri Krsna diz para Sri Radhika.

Por meio da flauta, Krsna glorifica a beleza transcendental da forma incomparável de Sri Radhika. Ele também glorifica a beleza de Sri Radha comparando-A com a flor champaka (jasmim). A beleza Dela é incomparável e eternamente jovial. Quando Srimati Radhika sorri, néctar aparece dos dentes Dela na forma de Sua pura beleza.
Quão belo é o cabelo de Srimati Radhika com a trança, assim como a camara que oferecemos à deidade.

Sri Krsna continua a dizer com Sua flauta: Por meio da Sua beleza, Sri Radha intoxica a mente de todas as jivas do universo, inclusiva a Minha mente [a mente de Krsna].

A glorificação da flauta continua: Os olhos de Srimati Radhika são bem longos, como de um filhote de corsa, e inquietos. Seu rosto sempre está ornamentado com Seu belo sorriso e com o semblante feliz.

Quando Lalita e Visakha glorificaram Sri Radha desta forma, Srimati Radhika disse: Chamem Krsna!

Ali, Lalita e Visakha chamaram Krsna e quando o casal transcendental se encontrou, Lalita e Visakha iniciaram o arotik:
jayo radhe jayo krsna yugala milana
arotik koroye lalitadi sakhi gana
Gaur Premanande! Hari Hari bol!

(Tradução: Sita Thakurani Didi. Transcrição: Madan Gopal Prabhuji)