BRAHAD-BHAGAVATAMRTAM AULA 6

28 Junho, 2015
Brhad-Bhagavatamrtam
Parte 1, aula 6

Estamos falando sobre o Srimad Brhad-Bhagavatamrtam, escrito por Srila Sanatana Goswami Pada.

No primeiro capítulo, Narada Rsi viajou por diferentes lugares, perhuntando quem é o melhor recipiente da misericórdia do Senhor. Ele estava buscando isso, o Bhagavad Kripa Pakra. Nas aulas anteriores, falamos também, como Narada Rsi, chegou ao rei Purush Barsha, o local de Hanuman. Vou lembrar um pouco sobre as aulas passadas. Quando Narada Rsi foi para esse lugar onde estava o rei  Purush Barsha, o lugar onde estava Hanuman, Hanuman estava em transe total meditando na sua deidade adorável Rama e Sita, estava absorto em transe.

Quando Narada Rsi chegou lá, Hanuman se levantou e prestou suas reverências aos pés de lótus de Narada Rsi, então Narada Rsi glorificou Hanuman: Ó, Hanuman, você é o melhor recipiente da misericórdia do Senhor. Porque Hanuman se rendeu completamente aos pés de lótus do Senhor Ramacandra. Na aula anterior eu expliquei qual é a característica do caráter de Hanuman. No nosso Sastra está explicado que Hanuman é o exemplo perfeito de dasya rasa pura, esse humor de servidão, e ele também tem uma coisa na vida dele, ele tem nistha, estabilidade, firmeza nos pés de lótus de sua deidade adorável, o Senhor Ramacandra. Expliquei também que Hanuman tem muito amor e afeição por sua deidade adorável, o Senhor Ramacandra. 



Hanuman diz:

(Verso)

"Eu sei que não existe diferença entre o Senhor Narayana e Krishna e a minha istadeva, o Senhor Ramacandra, todos são Paramatma Tattwa, Bhagavad Tattwa, são Deus, mas a minha deidade adorável, o Senhor Ramacandra, é o meu coração e minha alma."

Dessa forma Hanuman nos ensinou como nos render completamente aos pés de lótus da nossa istadeva, Guru e Krisna. Porque bhakti se manifesta nesse estágio, quando a pessoa se rende completamente aos pés de lótus de Guru e Krisna. No Caitanya Caritamrta, Krishna das Kaviraj Goswami explica: "As ondas do amor profundo a Krisna, Krishna prema, se manifestam para aquela pessoa que tem nistha na sua istadeva. Hanuman é o exemplo perfeito de dasya rasa, porque bhakti vem passo a passo de santa, dasya, sakya, vatsalya e madhurya, tudo isso vai se desenvolvendo no coração do devoto. Na classe anterior a gente discutiu sobre Hanuman tem esse humor de serviço a sua deidade adorável, o Senhor Ramacandra. O Senhor Hanuman é muito humilde. Quando prema se manifesta no coração a pessoa se torna muito humilde. Mahaprabhu, ensinou:

"Trnad api sunicena taror api sahisnuna amanina manadena kirtaniyah sada harih

Esse é o processo para se cantar os santos nomes. cantar os Santos Nomes  sendo mais humilde que uma folha de grama, mais tolerante que uma árvore, esse é o processo de cantar os santos nomes.

Dessa forma quando Narada Rsi glorificou o humor de serviço de Hanuman, Hanuman falou: "Ó, Narada Rsi, eu não sou o melhor recipiente da misericórdia do Senhor, se eu fosse o melhor recipiente da misericórdia do Senhor, por que Ramacandra não me levou com Ele, quando partiu desse mundo material? Ele levou todos os seus associados." 
Mas Ramacandra falou pra Hanuman: "Você tem que ficar neste mundo material e pregar os Meus Santos Nomes". 
Então, de acordo com as instruções do Senhor Ramacandra, ele ficou naquele lugar pregando a mensagem do Senhor Ramacandra. 

Nossas escrituras explicam: "sempre siga as instruções do seu mestre, ou seja, da sua istadeva, deidade adorável". Ramacandra ordenou que Hanuman deveria ficar nesse mundo material e pregar os Seus Nomes pelo mundo inteiro. Dessa forma, existe muito sidhanta, verdades conclusivas, que a gente discutiu, em especial como Hanuman levou Narada Rsi a um Templo muito belo de Ramacandra, e aquela vigraha era muito linda e atraente. Sanatana Goswami Pada explicou dessa forma: "o serviço a Deidade é o mais elevado, porque vigraha seva está entre os cinco membros do sadhana e bhajana: sadhu sanga, nama kirtan, bhagavata sravana, mathura-vasa, sri-murtira sraddhaya sevanasa.

Se entrarmos em contato um pouquinho só com isso sadhu sanga, nama sankirtana, adorar a Deidade com fé. No Caitanya Caritamrta, Krisna Das Kaviraj Goswami explica que existem cinco processos pelos quais podemos alcançar o Senhor: sadhu sanga: se associar com os sadhus, os devotos puros, nama sankirtan: cantar os Santos Nomes na associação do sadhu, bhagavata sravana: ouvir o Srimad Bhagavatam com os devotos puros, athurathura-vasa: ficar em Mathura Mandala, Vraja Mandala com os devotos, e sri- murtira sraddaya sevana: servir a sua Deidade Adorável com fé. 

Sanata Goswami Pada em seu comentário explica que vigraha seva, o serviço a Deidade é muito importante na nossa vida de sadhaka. Por exemplo, talvez uma esposa casta sirva seu marido de forma direta, é verdade, mas quando seu marido não está em casa ela adora então a deidade dele. Porque quando o esposo está presente, de forma direta, se ela o adora diretamente, ou adora a deidade, isso não é important. Mas quando o esposo não está lá, então ela deve adorar a foto do esposo ou algo assim, isso mostra a sua nistha, estabilidade, por isso vigraha seva  é tão importante. Mas na nossa gaudiya sidhanta, verdade conclusiva dos gaudiya vaishnavas, a vigraha é trancendental.

Existem oito tipos de deidades, vigraha. Você tem que adorar a Deidade. O vigraha seva é muito importante na nossa vida espiritual, porque se você adorá-la, significa que você está seguindo todas as regras e normas. Pois o devoto neófito, se não adorar a deidade, ele não pode desenvolver a vida espiritual, pois para adorá-la você tem que seguir todas as regras e normas, você deve acordar bem cedo, tomar banho, cantar o Gayatri Mantra e adorar a deidade, ou seja, você vai acabar seguindo os princípios regulativos, a sua vida vai ficar bem regulada. Mas se você não adorar a deidade, é muito difícil que a sua vida seja regulada, então muitos tipos de outras coisas virão. O Sastra explica, que você deve adorar a deidade dessa forma: acordar bem cedo de manhã, todo dia fazer mangala arati, meio dia oferecer uma prasada pra Thakuraji e de noite fazer Arati de novo. 

Assim, no Sastra Hari Bhakti Vilasa é explicado também, que o vigraha seva é muito importante. Mas você tem que dar ênfase também no cantar dos santos nomes. Porque existem dois caminhos na nossa marga, um é o arcana marga, o caminho da adoração (viddi margha) e o outro é o raga marga. Onde há o raga marga, o arcana margha está incluído. O raga marga em kali yuga significa você dar ênfase ao cantar dos Santos Nomes, isso não significa que você deve negligenciar a deidade, muitos devotos falam, "ah eu canto os Santos Nomes não preciso adorar Guru e Krisna", não, você deve adorar Guru e Krisna.

(Verso)

Srila Bhaktivinoda Thakur explica "Aquele que segue as regras e normas de vidhi marga é qualificado para adentrar raga marga.

Isso é muito importante pra nossa vida espiritual, Sanatana Goswami Pada explica de forma clara como Hanuman adorava sua deidade do Senhor Ramacandra e cantava os santos nomes de Rama e Sita.

Dessa forma, quando Narada Rsi glorificou Hanuman, este ficou com muita vergonha e falou: "Ó, Narada Rsi, eu não sou o melhor recipiente da misericórdia do Senhor. Se você quiser ver o melhor recipiente da misericórdia do Senhor, você deve ir até Hastinapur, e lá você pode ver os pandavas como Yudisthira, Nakula, Sahadeva e como Kunti e Draupadi servem ao Senhor Krishna. Porque Krishna sempre fica no lugar de Yudisthira Maharaj. No Srimad Bhagavatam, o próprio Narada Rsi glorificou os Pandavas. No Srimad Bhagavatam, Sukadeva Goswami Pada falou: "Ei, Maharaj Parikist, uma vez Narada Rsi, foi até o palácio de Hastinapur, naquele momento Yudisthira Maharaj, de forma muito humilde orou aos pés de lótus do Senhor Krisna, e quando Narada Rsi viu como os pandavas tinham amor e afeição por Krishna, Narada Rsi glorificou os pandavas."

(Verso)

Narada Rsi falou: "Ó, Yudisthira Maharaj, como você é afortunado, porque o Senhor Krisna está sempre na sua casa, mesmo que você tenha qualquer problema ou calamidade, Ele vem e resolve tudo". 

Existem muitos exemplos, quando Durvasa Rsi, na cabana de Yudisthira Maharaj, quando eles estavam no exílio, perto do Bimala kunda, Durvasa Rsi foi até lá e naquele dia ele falou que queria tomar prasada na casa dos pandavas com os seus 60.000 discípulos. Mas Draupadi já tinha tomado prasada e já tinha limpado a panela mística dela, então ela não podia manifestar mais nenhum tipo de prasada. Mas naquela hora Draupadi se lembrou de Krishna e então Krishna chegou e resolveu todos os seus problemas. Eu já contei muitas vezes essa história pra vocês. 

Então dessa forma, Parabrahma Bhagavan Krishna, vai até a casa deles e resolve todos os problemas que tiverem. Os pandavas têm muito amor e afeição por Krishna também. Especialmente Kunti, tem um relacionamento maternal com eles também. E Krishna tem muito amor e afeição por Draupadi. E Krishna tem muito amor e afeição por Arjuna também. Então dessa forma Narada Rsi glorificou Yudisthira Maharaj: "Ó, como você é afortunado". Hanuman também falou: "Ó, Narada Rsi, sabe, os pandavas tem tanto amor e afeição por Krishna! E os pandavas cativaram o coração de Krisna com o amor divino, com o prema deles".

Krishna dirigiu a quadriga de Arjuna e também Ele é o ministro, o conselheiro, o embaixador. Antes da batalha de Kuruksetra o próprio Krishna foi até Duryodhana e quis fazer um acordo com ele, como embaixador. Krishna estava sempre seguindo os pandavas e os pandavas sempre seguiam Krishna e eles faziam sthava stutis, orações. Isso significa que os pandavas tem três tipos de seva: dasya, sakya e um serviço com muita intimidade entre si. Dessa forma Hanuman falou: "Ó, Narada Rsi, você deve ir para Hastinapur se encontrar com os pandavas, você vai ver que os pandavas são o melhor recipiente da misericórdia do Senhor Krisna".

Existe uma história muito linda e bela sobre isso. Uma vez, Arjuna e Hanuman se encontraram. É uma história bem linda, às vezes eu explico em minhas aulas. Uma vez, Arjuna se fantasiou de um sadhu, e Hanuman também se vestiu de sadhu. Mas eles não contaram um pro outro: "Ah, eu sou Arjuna e eu sou Hanuman", e aí eles foram num lugar e se encontraram, mas não sabiam que um era o outro. 

Quando os sadhus se encontram, a natureza espontânea deles é discutir Krishna katha, Bhagavad katha. Sadhu significa o quê? Sadhu é aquele que quando encontra outro sadhu, tem muita avidez para ouvir Harikatha, ou falar Harikatha. Então ele quer sravana, ouvir, e smarana, também lembrar. Dessa forma, Arjuna e Hanuman, quando eles se encontraram, Hanuman pediu a Arjuna: "Ó, sadhu, fale alguma glória do Hari Katha". 

Arjuna respondeu, "Ok, eu gostaria de falar Harikatha, sobre Krishna Katha."

Hanuman disse, "Está bem, eu quero ouvir sobre Krishna, sua deidade adorável, deve ser muito bom, Krisna Katha é muito doce."

Então naquele momento Arjuna glorificou todo o lila Katha, bhagavad katha de Krishna, todos os passatempos desde a infância, até Vrindavana Katha, Dvaraka lila, glorificou tudo. Arjuna falou todo o Srimad Bhagavatam para Hanuman. Hanuman ficou muito satisfeito e disse: 

- Ok, Arjuna, estou muito feliz de ouvir o seu Bhagavad Katha, muito obrigado.

Então Arjuna falou:

- Ei, sadhu, você tem que me dar alguma coisa!

E Hanuman disse:

 - Ué, mas eu sou um sadhu, o que eu tenho que lhe dar?

Arjuna respondeu:

Você tem que me dar uma doação!

Hanuman: 

Mas que doação que eu vou dar?

Arjuna, "Eu falei todo o Bhagavad Katha, então você também deve falar alguma coisa, a sua doação é falar! Como que você vai embora sem falar Harikatha? A doação que você deve dar é falar Harikatha!"

Hanuman, "Sim, tá bom então, eu tenho que falar alguma coisa. De acordo com as suas exigências tenho que falar alguma coisa. Mas ouça, eu quero falar sobre Rama, Rama Katha."

Arjuna, "Tá bom, não tem problema, eu vou ouvir Rama Katha por que não?"

Porque Sukadeva Goswami, apesar de ser Krishna bhakta, ele também falou Rama Katha no Srimad Bhagavatam, então por que não? Significa que aqueles que são devotos de Krishna, você não pode falar que eles não gostam de ouvir Rama Katha, isso não é verdade, você não pode falar isso. Você também não pode dizer que os devotos de Rama não querem ouvir sobre Krishna, isso também não é verdade. Porque não há diferença entre Rama e Krisna. Aquela pessoa que pensa que Rama é outro Bhagavan, e Krishna é outro Bhagavan, não, você não pode falar isso. O Senhor é um, mas Ele se manifesta de diferentes formas, e Ele saboreia diferentes tipos de rasas dos corações dos seus devotos. 

Então por isso Arjuna falou: "Não se preocupe, você gosta de falar sobre Rama Katha, eu também gosto de ouvir Rama Katha, porque Sukadeva Goswami Pada glorificou de forma muito bela o Ramacandra Katha no Srimad Bhagavatam, então eu também quero ouvir sobre esse Katha, sobre esses tópicos". 

Então Hanuman falou: "Ouça, minha istadeva Ramacandra é muito doce, Ele é muito calmo, quieto, e Ele dá a misericórdia a todas as entidades vivas. Então Hanuman começou a falar Rama Katha, todo o Ramayana, como Ramacandra nasceu, como Ele cresceu, e como Ele foi pro Ashram de Vasistha Rsi com seus quatro irmãos, Lakshmana, Bharata e Satraguna. Aí Rama e Laksaman mataram Rakasur. Ramacandra se casou com Sita Devi, ele explicou todo o Ramayana, e os irmãos se casaram. Depois de alguns meses Ramacandra tinha que ir pra floresta, exílio. Hanuman explicou de forma muito bela dessa forma. 

Hanuman falou: "Quando Ramacandra estava na floresta em exílio, Ravana sequestrou Sita Devi, e aí Ramacandra se encontrou e fez amizade com Sugriv e matou o irmão dele Bali. Então Sugriv reuniu todo o exército de macacos. Eu também fiz uma ótima ponte pra Ele poder atravessar o oceano e ir  para Sri Lanka".

Hanuman explicou um pouco sobre como os macacos ajudaram a construir a ponte pra Ramacandra, então Arjuna ficou um pouquinho triste, aí Hanuman percebeu e perguntou: "Ei, sadhu, por que você está chateado?". Arjuna falou: "Hanuman construiu uma ponte pra Ramacandra, com milhares de pessoas no exército, trouxeram várias pedras do Himalaia pra fazer essa ponte, trabalharam tão pesado, e aí vocês foram em direção a Lanka pela ponte, vocês trabalharam muito pesado, mas se Arjuna estivesse lá, de forma muito fácil e rápida, teria feito uma ponte pra Ele pro Senhor Rama", aí Hanuman falou: "como é possível?" Aí Arjuna se absorveu na sua própria identidade, ele falou: "sim se eu estivesse lá, eu faria uma ótima ponte de flechas, e o Senhor Rama e todo seu exército atravessaria muito facilmente, e eu posso fazer essa ponte muito muito rápido. Você tinha um exército gigante, trouxeram várias pedras, e tinham as ondas do oceano, e as ondas do oceano não estavam querendo dá o espaço pra Ramacandra, aí Ramacandra ficou bravo e tentou acertar o oceano com a flecha, você explicou muitas coisas, pra que fazer tudo isso? se eu tivesse lá eu teria muito facilmente feito uma ponte com as minhas flechas",í Hanuman falou: "significa então que você é aquele mesmo Arjuna?", Arjuna falou: "sim, eu sou o mesmo Arjuna, e agora eu estou aqui". Hanuman estava muito absorto também e muito orgulhoso e falou: " E eu também sou aquele mesmo Hanuman". Ambos ficaram argumentando e estava cada um com orgulho próprio.  Hanuman falou: "Sim, ok, tá vendo aqui tem um grande lago, você pode fazer uma ponte com as suas flechas e eu vou poder ver então", Arjuna fechou os olhos, e com o seu poder místico, ele trouxe a sua gandiv  e com a sua gandiv ele fez uma bela ponte sobre aquele lago que tinha ali, uma ponte de flechas. Hanuman percebeu, ficou surpreso, e falou: " Hi essa ponte é de verdade ou de mentira? ele brincou, como é possível que Ramacandra e todo o nosso exército consiga andar em cima dessas flechinhas fininhas?",  Arjuna falou: "por que não? parece pequena mais é muito poderosa",  Hanuman falou então: " tá bom, vou ver",  ele se levantou e botou o pé direito e pensou:  acho que vai cair, vai desmoronar a ponte,  ele botou o pé esquerdo, e ela era bem forte, era uma ponte muito firme, Hanuman pensou: Ó meu Deus o que aconteceu?

Hanuman com seu poder místico, trouxe o peso de todo o universo nas suas costas, de todas as montanhas no seu corpo, ele ficou sobre aquela ponte de flechas feita por Arjuna, e depois de um momento Hanuman olhou e viu que embaixo da ponte tinha muito sangue, Hanuman falou: "Arjuna, da onde tá vindo todo esse sangue?" e Arjuna tá pensando: se essa minha ponte quebrar Hanuman vai zombar de mim. Arjuna ficou lembrando da sua Deidade adorável Krisna, Govinda Damodara Madhaveti, "Ó Govinda, por favor, mantenha a minha palavra". Rama, estava segurando a ponte com seu ombro, então estava vindo muito sangue do ombro do Senhor Rama e de Krisna que também estava lá segurando a ponte. Hanuman viu que Rama estava segurando a ponte e Arjuna viu que Krisna estava segurando a ponte com os ombros e estava saindo sangue. Então ele percebeu, ele realizou, Hanuman desceu da ponte e orou ao Senhor Rama, e Arjuna fez orações,  a Krisna. Krisna falou: "Ó Arjuna, você está com orgulho", e o Senhor Ramacandra falou pra Hanuman: "Nunca tenha orgulho da sua força ou poder". Esse é um exemplo, um ensinamento, que a gente não deve ter orgulho da nossa bhakti, bhakti é sempre muito simples e humilde. Dessa forma Hanuman se lembrou desse tipo de lila e falou pra Narada Rsi. "Ó Narada Rsi, você deve ir até onde estão os pandavas e você vai ver como os pandavas adoram sua Istha Deva, Deidade adorável. Sanatana Goswami Pada no seu comentário explica também, a bhakti deles é mais elevada que a de Hanuman, mais Hanuman ele sabe, aquela pessoa que tem rasa  ela pensa  que é a melhor,  Hanuman pensa: eu sou o melhor. Mais se a gente analizar de forma neutra, a gente ve que os pandavas são mais elevados que Hanuman, porque os pandavas tem sakya rasa e Hanuman tem dasya rasa, humor de servidão. Significa que a rasa de amizade é mais elevada que a de servidão, que é a de Hanuman. Hanuman falou: "Ó Narada Rsi, você deve ir até Hastinapur ver os pandavas e ver como eles tem amor e afeição pela Deidade adorável deles.

Bolo Vrindavan Bihari Lali Ki jay! Jay Jay Sri Radhe! Goura Premanande! Hari Haribol!

(Transcrição: Siddhesvari Devi Dasi - SP. Revisão: Govinda Priya Devi Dasi e Rasa Bihari Prabhu - SC)