NITYANANDA TRAYODASI

01 Fevereiro, 2015

No mundo espiritual toda bem-aventurança se manifesta de Srimati Radhika, e no mundo material essa bem-aventurança se manifesta de forma distorcida: jada-ananda (bem-aventurança obtida pelo contato com a matéria).

Todo o conhecimento transcendental provém de Krsna e é chamado cit-jñana, já o reflexo pervertido desse conhecimento nesse mundo é chamado Jada-Jñana, ou conhecimento material.

Baladeva prabhu é a deidade que rege sandhini-sakti. Sandhini significa existência, e no plano transcendental toda existência é chamada cit-jagat, ou seja, todos os dhamas (moradas), tais como Vrndavana, Mathura, Ayodya, Dvaraka e Vaikuntha se manifestam de Baladeva Prabhu, e no mundo material isso se reflete na forma de Jada-Jagat, o mundo material, e conforme essa Jada-sakti, a energia externa do senhor, esse plano material é criado.

Baladeva tattva: 

Bala significa energia transcendental (sakti), e os upanishads declaram que sem essa força (sakti), ou seja, sem a misericórdia de Baladeva Prabhu, não é possível que alcancemos essa energia transcendental e, por conseguinte, a perfeição; portanto é essencial que recebamos essa misericórdia.  
Baladeva Prabhu é também intitulado Akhanda-guru-tattva, o princípio indiviso de guru, e por outro lado, ele também é não-diferente de Krsna.



Sri Caitanya Bhagavata esclarece que Eles são apenas uma alma com duas formas distintas. Não há diferença entre Krsna e Balarama, o próprio Krsna se manifesta como Baladeva Prabhu. Isso significa que toda a "Cit-bala, toda a força, energia e poder espiritual vem de Baladeva Prabhu, e a prakasa-vigraha, sua manifestação nesse mundo, é Sri guru pada-padma, ‘prakasante mahatmana’.

Da mesma forma, sem a misericórdia de Sri Guru não podemos entender assuntos transcendentes. As escrituras explicam nesse verso que devemos respeitar igualmente a Krsna e a Sri Guru, porque não há diferença entre Sri Guru e Krsna, mas devemos entender que Krsna é “Sevya Bhagavan” (Aquele que é servido) e Srila Gurudeva é sevaka-bhagavän (Aquele que serve).

Na lila de Sri Caitanya Mahaprabhu, o mesmo Baladeva Prabhu aparece como Nityananda prabhu, e o auxilia no movimento de sankirtana.

Nityananda prabhu é o nosso Akhanda-guru-tattva, e hoje é o dia super auspicioso de seu aparecimento transcendental.

Ele apareceu em Ekacakra Dham, uma aldeia na Bengala. Seu pai era Hadai Pandit, e sua mãe Padmavati Devi.

Nityananda Prabhu realizou doces passatempos em Ekacakra Dham. Quando ele era pequeno dois aldeões estavam reclamando que uma cobra ficava perturbando a todos na região. Nityananda prabhu foi até o morro onde a cobra estava e a interrogou: “Por que você está perturbando a todos aqui?  Fique no seu ninho e não perturbe mais ninguém”, e conforme as ordens de Nitai, a cobra entrou no buraco, e Nityananda Prabhu fechou o buraco com um de seus brincos, e por isso Nitai usa apenas um brinco.

Srila Gour Govinda Gosvami Maharaj explica isso docemente em seus granthas (livros).

Em Dvapara-yuga, na batalha de Kuruksetra, Krsna tinha feito uma promessa que não usaria nenhuma arma, mas Bhisma Pitama disse: “Ah, não! Eu vou fazer com que Krsna use alguma arma no campo de batalha.”  Bhisma Pitama lutava com Arjuna, e Arjuna estava prestes a ser derrotado, foi quando Krsna viu a situação, e enraivecido pegou uma roda da carruagem, e quando estava prestes a lançá-la, Bhisma largou tudo e começou a entoar orações a Krsna enquanto Arjuna agarrava em Seus pés clamando: “Ó Krsna! Você prometeu que não usaria nenhuma arma nessa guerra”. Então Krsna disse: “O que Eu faço agora com essa roda em minhas mãos?”, e imediatamente Ele jogou a roda para longe,  caindo na Bengala, nesse lugar que se tornou Ekachackra, local do aparecimento de Nityananda Prabhu, e Ekacakra significa, “Eka” (um) “Cakra” (disco, a roda da carruagem), Uma roda.

Os Pândavas (Yudhistira, Bhima, Arjuna, Nakula e Sahadeva) depois que os Kurus incendiaram sua casa, chegaram em Ekacakra Dham, onde residia um demônio chamado Brkasura, que perturbava todos naquela vila, matando indiscriminadamente. Os moradores, contudo, fizeram um trato com o demônio no qual ele só poderia matar uma pessoa por vez, que iria até ele levando comidas deliciosas, diferentes preparações. Um dia, a esposa do brahmana que estava hospedando os Pandavas estava chorando muito pela manhã, e Kunti foi até ela e perguntou: “Porque você está chorando? ” e a esposa do brahmana respondeu: “Porque hoje é o dia do meu filho ir levar comida para o demônio Brkasura!” E Kunti disse: “Não se preocupe! Bhima levará! Quando Bhima chegou o demônio estava dormindo, e quando acordou viu que Bhima estava comendo toda a comida que, na verdade, era dele. Ficando furioso, o demônio confrontou Bhima, quem acabou por matá-lo.

Quando Arjuna soube que Bhima estava com o demônio, engatilhou uma flecha em forma de cobra, mas nessa hora veio uma voz aérea e disse: “Arjuna, não precisa atirar essa flecha, pois Bhima já matou o demônio”. Mas ele já tinha atirado e Arjuna ficou pensando, “Para onde vai essa cobra-flecha, agora que já atirei? ” Então a cobra ficou ali na região desde Dvapara-yuga até Kali-yuga, quando Nityananda prabhu (que é o mesmo Baladeva Prabhu) avistou a cobra, solicitou que a mesma ficasse entocada e tampou o buraco com seu brinco. Essa história nossos livros contam.

Quando Nityananda Prabhu estava crescido, um sannyasi foi até Sua casa (alguns dizem que era Laksmipati Tirtha, outros dizem que era Madhavendra Puripada), e esse sannyasi pediu a Hadai Pandit (o Pai de Nityananda) seu filho em doação, e seu pai o doou, e juntos viajaram por muitos locais de peregrinação, mas na verdade Nityananda Prabhu aceitou diksa de Laksmipati Tirtha.

Nityananda Prabhu estava ficando em Vrndavan, e lá Ele estava absorto no seu humor de Baladeva Prabhu, e sentindo muita falta de Krsna, Ele ficava exclamando: “Ó Kanhaya, Ó Kanhaya!” E às vezes ele carregava um arado e colocava um turbante na cabeça e exclamava por Kanhaya (Krsna) e todas as pessoas de Vrndavan achavam que Ele era louco.

Um dia ele ouviu um som aéreo dizendo: “Agora seu Kanhaya está em Navadvip, não está aqui em Vrndavan!”. Nitai imediatamente deixou Vrndavan e foi a Navadvipa, mas Nityananda Prabhu estava tão absorto nas lilas de Krsna, que adquiriu a cor negra, e em Madhuvan se encontra essa deidade de Baladeva Prabhu com a tez negra.

Nitai ao chegar em Navadvipa, viu Sri Caitanya Mahaprabhu realizando doces lilas, e disse aos seus seguidores: “Eu tive um sonho ontem, alguém bem alto em uma carruagem dourada, e ficou apontando para minha casa e perguntando: Essa é a casa de Nimai? E depois desapareceu”, Mahaprabhu pediu a todos os Seus seguidores para que eles por favor buscassem essa pessoa. Depois de um tempo eles voltaram e disseram que não conseguiram encontra-lo, Mahaprabhu sorriu e disse: “Venham comigo, Eu vou mostrar para vocês onde ele está!”

Então Mahaprabhu foi direto a casa de Nandana Acarya. A conclusão é que sem a misericórdia de Krsna nós não podemos encontrar um guru fidedigno, e sem a misericórdia do guru fidedigno nós não podemos alcançar Krsna, e alcançar a nossa meta, a perfeição máxima.

Para desenvolvermos nossa vida espiritual e termos realizações espirituais precisamos tanto de guru krpa (misericórdia do guru) quanto de Krsna krpa (misericórdia de Krsna).

Caitanya Mahaprabhu foi até a casa de Nandanda Acarya, Nityananda estava meditando de olhos fechado quando Mahaprabhu O abraçou e O trouxe à Sua casa, porém Nityananda Prabhu é avadhuta, aquele que possui loucura transcendental, ora ficando nu, ora com roupa, brincando, rindo, cantando os nomes de Krsna, cada hora Ele está de um jeito, então Mahaprabhu concluiu: “Nitai, você não pode ficar assim na minha casa, aqui estão a Minha mãe e Minha jovem esposa.”

De vez em quando Mahaprabhu colocava roupa Nele, mas Nityananda estava sempre absorto nos sentimentos transcendentais extáticos, e por fim foi para a casa de Srivasa Thakura, onde sua esposa Malini Devi o tratava como se fosse um filho.

Certo dia um corvo pousou e roubou todas as lamparinas de ghi que Malini Devi estava preparando, deixando-a chateada, e Nityananda disse a ela: “ Não se preocupe! Eu vou trazê-las de volta!” então, Nitai solicitou ao corvo para que devolvesse as lamparinas de ghi, e o corvo devolveu, isso porque, Nityananda é caitya-guru, habitando o coração de todas as entidades vivas.

Existem três maneiras do guru se manifestar, tem o mahanta ou samasti-guru, caitya-guru e vyasti-guru.  Depois Mahaprabhu solicitou a Nityananda Prabhu e Haridas Thakur que pregassem nama-sankirtan por toda Navadvipa, por toda a Bengala.

O primeiro lugar que eles foram foi o cemitério, e lá estava Jagarananda e Madhavananda (o nome em Sânscrito de Jagai e Madhai na udara-lila), e as primeiras pessoas que eles libertaram foi Jagai e Madhai.

Nityananda Prabhu pregou o nama-sankirtana, como Mahaprabhu ordenara, e depois Ele se casou com Jahnava e Vasudha, filhas de Suryadasa Sarakhela.

Ia frequentemente na casa de Gauri Das. “Devadi deva Gauracandra Gauridasa mandire” essa canção é muito importante, ela explica como Nityananda Prabhu estava sempre na casa de Gauridasa Pandit, e também como Nitai ajudou muito nosso movimento de sankirtan, a pregação de Mahaprabhu.


Quando Mahaprabhu aceitou sannyasi lá também estava Nitai, eles saíram de Nabdvip rumo a Jagannatha Puri, mas no caminho Nityananda Prabhu quebrou a danda de Mahaprabhu em três partes.

Nityananda Prabhu pensava “Caitanya Mahaprabhu é Bhagavan, como é possível que ele carregue essa sannyasi-danda, pois ela é não-diferente de Visnu, e por isso também é chamada de visnu-danda, como poderia Mahaprabhu carregá-la?!” Entao Nityananda quebrou a danda em três partes e jogou no rio, e o esse rio é chamado de Danda Banga.

Outro significado Dele ter partido a danda em três partes é que Mahaprabhu tinha tomado eka-danda-sannyasi, que é semelhante ao voto dos mayavadis, mas na verdade em Kali-yuga não deve ter eka-danda sannyasi, mas tridandi-sannyasi, e servir a Krsna com tridandi-sannyasi (corpo, mente e palavras).

Quando Mahaprabhu viu que Sua danda estava partida, reclamou a Nityananda: “Ei Nitai, você quebrou a minha danda!” Mahaprabhu estava triste de ver a sua danda quebrada, e Nityananda disse: “Eu não. Foi Você mesmo quem quebrou Sua danda. Você estava tão absorto cantando os Santos Nomes de Krsna que nem percebeu que caiu em cima dela e a quebrou”.

Mahaprabhu disse: “Ó Nitai, você é muito arteiro, não quero mais viajar com Você. Ou Você vai na frente, ou eu vou na frente. O que prefere? ”, e Nityananda disse: “É melhor Você ir na frente e eu atrás.”

Mahaprabhu, absorto no sentimento de “Eu sou Radha”, cantava os Santos Nomes transcendentais caminhando em direção a Jagannatha Puri, tendo em mente apenas o sentimento de encontrar-se com Seu amado Krsna, e chegando ao templo de Jagannatha Ele queria abraçar o Sr. Jagannatha, mas os pujaris não deixaram, então Ele desmaiou, e caiu no chão.

Sarvabhauma Bhattacharya veio e O protegeu, levou Mahaprabhu para sua casa, e os devotos vieram até Puri atrás dEle na casa de Sarvabhauma Bhattacharya. E essa é a lila de como Mahaprabhu liberta Sarvabhauma Bhattacharya.

Nityananda Prabhu e Caitanya Mahaprabhu ficaram juntos em Puri, mas depois de caturmasya, Mahaprabhu pediu que Nityananda Prabhu fosse pregar na Bengala. Ele foi, mas todo ano vinha a Puri vê-Lo,  quando Mahaprabhu perguntou: “Nitai, porque Você vem todo ano? Eu já não mandei Você ir pregar na Bengala?”, e Nitai respondeu: “Sim, mas é que eu não consigo tolerar a separação que sinto de Você, não consigo ficar longe, por isso venho todo ano!” E Mahaprabhu ficou muito satisfeito em ouvir isso.

Há um passatempo de Srila Gurudeva (Srila Bhaktivedanta Narayan Gosvami Maharaj), parecido. Quando Srila Param-Gurudeva (Srila Bhakti Prajñana Kesav Gosvami Maharaj) estabeleceu o math em Mathura, a Sri Kesav ji Gaudyia Math, ele ordenou que Srila Gurudeva ficasse lá e comandasse o math, mas depois de três meses Srila Gurudeva foi para Nabdvip ficar com seu Gurudeva (Srila Bhakti Prajñan), então Srila Param-Gurudeva perguntou a ele: “Por que você vem toda hora? Eu não mandei você comandar o templo de Mathura?”, e Srila Gurudeva disse: “Eu não consigo ficar longe de você”. E todo ano Srila Gurudeva ia à Nabdvip e ficava três meses com seu Srila Gurudeva, e o resto do ano em Mathura.

A conclusão é que devemos sentir separação e a falta de guru e devemos ir até ele, assim, desenvolveremos a nossa vida espiritual.

Desta forma, Nityananda Prabhu, ficava com Mahaprabhu em Puri por quatro meses em caturmasya, e quando acabava voltava à Bengala para pregar, conforme a ordem de Caitanya Mahaprabhu. Haridas Thakur ficava sempre em Puri com Mahaprabhu.

Nityananda Prabhu sempre ajudou o movimento de nama-sankirtan de Mahaprabhu, e às vezes ficava absorto no humor de Ananga Manjari, (que é a irmã mais nova de Srimati Radhika), principalmente quando Mahaprabhu ficava dançando em frente ao Senhor Jagannatha.

Quando Mahaprabhu estava absorto no humor de Radha, e Nitai no humor de Ananga Manjari, Nityananda abraçava e segurava Mahaprabhu. Quando Mahaprabhu estava absorto no humor de Krsna, e Nitai no humor de Baladeva Prabhu, Eles também se abraçavam, mas quando Nityananda estava no humor de Baladeva Prabhu, Ele não podia tocar em Mahaprabhu, pois Ele estava no sentimento de Radha, então Ele ficava apenas admirando o nama-sankirtan de Mahaprabhu.

[Esclarecendo dúvidas]:

“Há várias formas de guru, samasti-guru e vyasti-guru. Samasti-guru é o coletivo de todos os gurus juntos, que é todo o guru-tattva, Nityananda prabhu que é Baladeva Prabhu. Samasti significa conjunto, coletivo, isso é Baladeva Prabhu. Vyasti-guru é especifico, é aquela pessoa que você aceita Siksa, Diksa, que é a manifestação de Baladeva Prabhu. E também tem caitya-guru que é o guru que reside no coração de todas as entidades vivas, mahanta-guru, que é quando o próprio Krsna assume o papel de guru, como por exemplo Caitanya Mahaprabhu, que é o próprio Krsna e esta fazendo o papel de guru, e também o diksa-guru, siksa-guru, e o vartma-pradarsaka-guru que é aquele que nos mostra o caminho de bhakti: “vartma” é o caminho, pradarsaka é o caminho de bhakti.”

“Srila Narayan Gosvami Maharaj por muitas vezes vinha ficar com seu Gurudeva quando sentia a falta dele. Na verdade, muita coisa que eu ouvi, foi meu tio que contou, Krsna Krpa Prabhu (Srila Madhusudana Maharaja), pois ele vivenciou isso e me contava. Outra coisa que me lembro, é que antes do parikrama de Nabdvip, uns três meses antes, Srila Bhakti Prajñana saia para o festival, e Srila Gurudeva (Srila Bhaktivedanta Narayan) sempre ia junto para ajudá-lo na pregação e ficava para o parikrama, e só depois voltava para o templo de Mathura. É muito difícil tolerar a separação de guru.”

Jay Gurudeva!! 

(Agradecimentos: Yamuna Didi - Santos/SP; Radha Priya Didi - Santos/SP; Gourangi Didi -Tremembé/SP e Tarun Krsna Das - São Paulo/SP)