FOTOS
ÁUDIOS
VÍDEOS
NOVIDADES

8.8.17

DESAPARECIMENTO DE SANATANA GOSVAMI E APARECIMENTO DE VYASA DEVA

08/07/2017
Santo André - SP

Assista a aula aqui

Foto: Citra Devi Dasi
Hoje é um dia muito excelente, auspicioso e muito sagrado, pois hoje é o dia do desaparecimento de Srila Sanatana Gosvamipad, um associado muito íntimo e muito querido de Caitanya Mahaprabhu . Entre os seis goswamis, Srila Sanatana Gosvami era muito proeminente. No seu livro muito elevado chamado Vilapa-kusumanjali, Srila Raghunatha Das Gosvamipad glorifica e presta suas reverências (pranam-mantra) aos pés de lótus de Srila Sanatana Gosvami. 
vairagya-yug-bhakti-rasam prayatnair
apayayan mam anabhipsum andham
krpambudhir yah para-duhkha-duhkhi
sanatanas tam prabhum asrayami
(Sri Vilapa-kusumanjali, verso 6)
“Eu não queria beber o néctar de bhakti-rasa atado pela renúncia, mas Srila Sanatana Gosvami, por ser um oceano de misericórdia que não consegue tolerar o sofrimento alheio, me induziu a bebê-lo. Assim, eu tomo abrigo em Srila Sanatana Gosvami como meu siksa-guru.”
Srila Raghunatha Das Gosvami é a personificação de trinad api sunicena, ou seja, mais humilde do que uma folha de grama. (Sri Siksastakam 3)

vairagya-yug-bhakti-rasam prayatnair… (Vilapa-kusumanjali 6) Srila Raghunatha Das Goswami está muito humildemente dizendo nesse verso: “Eu não tenho gosto por braja-khata, braja-prema e nem por braja-prema-bhakti, mas Srila Sanatana Gosvamipad, à força, me deu esse braja-prema-bhakti em meu coração. Então, repetidas vezes eu presto minhas reverências aos pés de lótus de Srila Sanatana Gosvamipad”. 

Por hoje ser um dia muito excelente e auspicioso, dia do desaparecimento de Srila Sanatana Gosvamipad, em sua memória e devido ao amor e afeição que os brajavasis (habitantes de Vrindavan) têm por ele, até hoje, nesse dia, eles raspam suas cabeças e realizam o Govardhan Parikrama (peregrinação circulando ao redor da colina de Giriraj Govardhan). Bolo Giriraj Maharaj ki jay! Jay Srila Sanatana Gosvamipad ki jay! Jay Jay Sri Radhe! Jay Jay Sri Radhe!

Vyasa Puja e a sampradaya de Shankara

Hoje também é Vyasa-puja, dia do aparecimento de Krishna Dwaipayana Veda Vyasa, o responsável por manifestar os Vedas, Puranas, Upanishads e o último purana, o purana imaculado, Srimad-Bhagavatam. Na verdade, essa celebração de Vyasa-puja é mais comumente observada na sampradaya de Shankara e geralmente quem observa o Vyasa-puja são os impersonalistas dessa sampradaya. Entretanto, Srila Bhaktisiddhanta Prabhupada explica que o Vyasa-puja celebrado pela sampradaya de Shankara não é o Vyasa-puja de verdade, mas uma brincadeira ridícula. Porque eles aceitam Vyasa Deva como guru, mas não seguem as instruções do guru [de Vyasa Deva]. Dessa forma, o puja (adoração) que eles realizam não é perfeito. 

Sri Vyasa Deva escreveu no Vedanta-sutra a teoria de Parinama-vada (doutrina da transformação), a qual explica que uma substância se transforma em outra substância. Por exemplo, o leite. O leite se transforma em iogurte, mas o iogurte não se transforma de novo em leite. Se você colocar ácido lático no leite fervendo, ele irá se transformar em iogurte, mas sob nenhuma circunstância, o iogurte voltará a ser leite. Isso significa que todas as jivas (almas) se manifestam de Brahma, mas as jivas nunca vão se tornar Brahma. No entanto, os seguidores da sampradaya de Shankara dizem que a alma (jiva) é Deus (Brahma) e que Deus é a alma.

Esta é a filosofia de Shankara: brahma satyam jagat mithya/jivo brahmaiva naparah. Significa que a única verdade absoluta é Brahma e que as almas não existem; quando Brahma está encoberto por maya (a energia ilusória de Deus), Ele se identifica como alma, mas quando Brahma já não está mais encoberto por maya, Ele volta a se identificar como Brahma. 

Assim, os seguidores da sampradaya de Shankara explicam que a jiva irá se tornar Brahma, por isso eles sempre repetem: aham brahmasmi (eu sou Brahma), sarvam khalvidam brahma (tudo é Brahma) e tat tvam asi (você é isso). Mas essa concepção é errônea, pois a alma nunca se tornará Brahma e porque Krishna explica muito claramente no Bhagavad Gita:
mamaivamso jiva-loke
jiva-bhutah sanatanah
(Bhagavad-Gita, 15.7)
“Todas as entidades vivas são Minha parte e parcela e são eternas e transcendentais.”
Mas os seguidores da sampradaya de Shankara falam que Vyasa Deva escreveu a doutrina da transformação, Parinama-vada, pois ele é louco. 

Srila Bhaktisiddhanta Prabhupada disse que a forma como essa sampradaya celebra o Vyasa-puja é simplesmente uma brincadeira ridícula, uma zombaria, já que eles adoram guru, mas ao mesmo tempo estão encontrando defeitos nele; isso não é o verdadeiro guru-puja. Guru-puja significa ter fé firme nas instruções de guru, do contrário como é possível realizar guru-puja? Srila Bhaktisiddhanta Prabhupada escreveu que a celebração da sampradaya de Shankara não é perfeita, já que eles criticam Vyasa Deva. Guru é a manifestação direta do Senhor.
​sākṣād-dharitvena samasta-śāstrair
uktas tathā bhāvyata eva sadbhiḥ
kintu prabhor yaḥ priya eva tasya
vande guroḥ śrī-caraṇāravindam
(Sri Gurvastakam 7)
“Todas as escrituras proclamam que Sri gurudeva é ​sākṣāt Hari, a potência direta de Sri cari, portanto, é considerado pelas autoridades santas como sendo o representante não-diferente Dele. Por Sri Gurudeva ser tão querido pelo Senhor, sendo o seu servo confidencial (acintya-bhedabheda-prakasa vigraha) - a inconcebível manifestação adorável diferente e não-diferente do Senhor), ofereço preces a seus pés de lótus.”
ācāryaṁ māṁ vijānīyān
navamanyeta karhicit
na martya-buddhyāsūyeta
sarva-deva-mayo guruḥ
(Srimad-Bhagavatam 11.17.27/CC  Adi 1.46)
“Oh, Uddhava! O mestre espiritual é diretamente a Minha svarupa. Jamais se deve negligenciar ou desrespeitar o Guru, como se ele fosse um simples mortal - tendo inveja dele, e ele não deve ser visto como possuidor de quaisquer defeitos. O Guru é o representante de todos os semideuses.
Nas escrituras há muitas evidências que comprovam isso. Acharya Gurudeva é uma manifestação direta do Senhor. 
nārāyaṇaṁ namaskṛtya
naraṁ caiva narottamam
devīṁ sarasvatīṁ vyāsaṁ
tato jayam udīrayet
(Srimad-Bhagavatam 1.2.4)
“Antes de recitar esse Srimad-Bhagavatam, que é o próprio caminho para a coquista, deve-se oferecer respeitosas reverências a Personalidade de Deus, Nārāyaṇa, a Nara-nārāyaṇa Ṛṣi, o mais elevado ser-humano, a mãe  Sarasvatī, a deusa do conhecimento e a Śrīla Vyāsadeva, o autor.”
Esse verso explica que Narayana se manifesta diretamente sob a forma de Vyasa Deva. Não há defeito algum em Guru, assim como não há defeito algum no Senhor. Portanto, guruke manusya-jnāna nā kara kakhana (Asraya Koriya Bando Sri Guru Carana 8), nunca pense que Gurudeva é uma pessoa comum!

Vyasa Deva é uma manifestação direta do Senhor Supremo, ele é o próprio Krishna. nārāyaṇaṁ namaskṛtya… (SB 1.2.4). E Bhagavan é Aquele que não possui quatro defeitos, os quatros defeitos que as almas condicionadas possuem:

1 - Bhrama: ilusão, aquilo que não é verdade, as almas condicionadas pensam que é;
2 - Pramada: intoxicação pelo desfrute dos sentidos materiais; 
3 - Vipralispa: tendência a enganar e
4 - Karanapatava: ter sentidos imperfeitos e inativos.

Krishna não tem nenhum defeito, porque Krishna é Bhagavan (Deus). E da mesma forma, Vyasa Deva não tem nenhum defeito, pois ele é uma manifestação do Senhor, ele é bhagavat-tattva. Assim, como é que os seguidores da sampradaya de Shankara conseguiram encontrar defeitos em Vyasa-Deva?

E eles dizem que a teoria da transformação (Parinam-vada) que Vyasa Deva escreveu no Vedanta-darshan é uma loucura, pois como é possível que Brahma se transforme?

Existem dois tipos de doutrinas da transformação: vastu-parinama-vada e shakti-parinama-vada. Mas o Senhor Chaitanya Mahaprabhu enfatiza mais a shakti-parinama-vada e aqui essa shakti (força) significa que o Senhor tem inumeráveis potências. Mas a sampradaya de Shankara não acredita que Brahma (Deus) tenha potência, mas sim que Ele é sem potência (nir-śakti). No entanto, o Bhagavatam, Vedas, Puranas, Upanishadis, todas as escrituras explicam que Ele possui inumeráveis potências (ananta-shakti).


Então as almas se manifestaram da potência do Senhor e essa transformação da potência é a shakti-parinama-vada. As jivas são chamadas de bhinna-amsah. O Senhor tem uma potência chamada jiva-shakti e todas as almas se manifestaram dessa potência, também chamada de taṭasthā-śakti (potência marginal). Por isso a conclusão de Srila Bhaktisiddhanta Prabhupada é que o Vyasa-puja da sampradaya de Shankara não é perfeito.

Sri Chaitanya Mahaprabhu celebra o Vyasa-puja na casa de Srivas Thakur

O Senhor Chaitanya Mahaprabhu manifestou e estabeleceu o Vyasa-puja (dia do aparecimento de Krishna Dwaipayana) da forma apropriada na casa de Srivas Thakur. Todos os dias O Senhor Chaitanya Mahaprabhu fazia nama-sankirtana na casa de Srivas Thakur:

Hare Kṛṣṇa Hare Kṛṣṇa 
Kṛṣṇa Kṛṣṇa Hare Hare
Hare Rāma Hare Rāma 
Rāma Rāma Hare Hare

hari haraye namaḥ kṛṣṇa yādavāya namaḥ
yādavāya mādhavāya keśavāya namaḥ
gopāla govinda rāma śrī-madhusūdana
giridhārī gopīnātha madana-mohana
(Nama-Sankirtana - Hari Haraye Namah Krsna, de Srila Narottam das Thakur)
À meia noite, Mahaprabhu estava completamente absorto no cantar dos santos nomes. De repente, Ele parou e perguntou ao Senhor Nityananda: “Oh, Nityananda, amanhã Eu irei observar o Vyasa-puja. Na casa de quem iremos celebrar o Vyasa-puja?”. Nesse momento, Nityananda Prabhu segurou na mão de Srivas Thakur e muito humildemente falou: “Oh, Prabhu, seguindo as Suas instruções, amanhã iremos festejar o Vyasa-puja na casa de Srivas Thakur”. Então o Senhor Mahaprabhu, com muita afeição, começou a rir e fazer algumas piadas dizendo: “Oh, Srivas, Nityananda, como é possível fazer o Vyasa-puja na casa de Srivas Thakur? Ele é um brahmana muito pobre! Na casa dele não tem nem ratos! Ou seja, ele é muito pobre mesmo!”.

Porque se você tem grãos ou cereais em sua casa, certamente alguns ratos irão visitá-la, então já que não havia nenhum rato na casa de Srivas, é porque certamente ele era muito pobre!

Mahaprabhu continuou: “Se fizermos o Vyasa-puja na casa de Srivas, muitas pessoas irão comparecer e tudo deve estar muito bem organizado, de forma maravilhosa. Deve haver uma bela Vyasa Panchakam, uma belíssima decoração com muitas flores e lindos panos e, já que muitas pessoas virão, também deve haver uma maravilhosa prasada! E pelo menos 360 tipos de preparações diferentes! Não apenas preparar um kitri para todos, mas sim laddhu, kachori, rasa-gula, comidas deliciosas para todo mundo! Então como é possível celebrar o Vyasa-puja na casa dele? Ele é um pobre brahmana.”

Então Nityananda Prabhu disse: “Prabhu, na verdade ele é uma pessoa rica! Externamente ele é pobre, mas internamente, é muito rico, porque ele possui bhakti e quem possui bhakti é rico.” Então Srivas Thakur, agarrando-se aos pés de lótus do Senhor Chaitanya Mahaprabhu, disse: “Prabhu, se o Senhor for até minha casa, com todos os devotos, como é possível que eu não prepare o Vyasa-puja? Pois o Senhor é o próprio Narayana, então automaticamente Lakshmi-devi também estará presente”.

Sri Chaitanya Mahaprabhu é chamado de Goura-Narayana e onde está Narayana, automaticamente Lakshmi também está. Lakshmi é a própria deidade que preside a fortuna. Srivas Thakur disse: “Oh, Prabhu, por favor me dê essa oportunidade de servir os Seus pés de lótus!”. Então Advaita Acharya, Haridas Thakur e outros grandes devotos ficaram muito felizes, pois iriam comemorar o Vyasa-puja na casa de Srivas Thakur. Até mesmo os semideuses e semideusas se manifestaram na forma de seres humanos e também participaram dessa celebração. Eles levaram muitos ingredientes, como flores, frutas e rasa-gula e assim decoraram tudo, o Vyasa-Panchakam, e  prepararam muitos tipos de prasada deliciosa. 

Então Sri Chaitanya Mahaprabhu começou a cantar os santos nomes com todos os Seus devotos. Eles estavam totalmente submersos no oceano da felicidade dos santos nomes do Senhor. Advaita Acharya, Nityananda, Haridas Thakur, dançavam para cima e para baixo, cheios de amor divino. E os semideuses e semideusas, que tiham se manifestado na forma de seres humanos, tocavam mridanga, kartals e kansa (gongo). Todos os devotos cantavam os santos nomes com o Senhor Chaitanya Mahaprabhu. 

Depois de três ou quatro horas dançando, o Senhor Chaitanya Mahaprabhu estava suando muito e diversos sintomas de êxtase se manifestaram em Seu coração. O Senhor Chaitanya Mahaprabhu é a própria personificação do harinama e agora Ele mesmo estava cantando os Seus próprios santos nomes! Brahma, Shiva, Narada estão sempre cantando os santos nomes de Deus e agora, esse mesmo Sri Hari está cantando os seus próprios santos nomes! De repente a guirlanda de Mahaprabhu caiu aos pés de lótus dos devotos, que dançavam para cima e para baixo como as ondas do oceano... Depois de cantar e dançar por três ou quatro horas, ao meio-dia, Nityananda Prabhu pensou: “Oh, os devotos já devem estar cansados, então agora todos têm que oferecer puspanjali aos pés de lótus de Vyasa Deva”.  

Quando o Senhor Chaitanya Mahaprabhu dançava e cantava os santos nomes, Nityananda Prabhu também dançava, pulando para cima e para baixo. E às vezes Mahaprabhu caía, então Nityananda Prabhu O segurava. Mas às vezes Mahaprabhu se absorvia no humor de Srimati Radhika, então Nityananda Prabhu ficava um pouco distante Dele e quando Nityananda Prabhu se absorvia no humor de Baladeva Prabhu, ele não ficava perto de Mahaprabhu. Nesses momentos, Svarupa Damodara, que é a própria Lalita-sakhi, ficava bem próximo de Mahaprabhu e O segurava. Mas às vezes, Nityananda Prabhu se absorvia no humor de Ananga Manjari, então Mahaprabhu se absorvia no humor de Srimati Radhika e nesse momento Nityananda Prabhu também segura o Senhor Mahaprabhu. 

Dessa forma, o harinama-sankirtan na casa de Srivas Thakur já acontecia por três ou quatro horas. Então ao meio-dia, Nityananda Prabhu disse a todos que estava na hora de parar, pois todos estavam totalmente encharcados de tanto suor. Sri Chaitanya Mahaprabhu então se sentou novamente na frente do Vyasa Pancakam. Advaita Acarya adorou Vyasa Deva e em seguida, o Senhor Chaitanya Mahaprabhu disse: “Nityananda Prabhu deve ser o primeiro a oferecer flores a Vyasa Deva, pois ele é o devoto mais elevado e mais sênior de todos!”. Porque Nityananda Prabhu recebeu iniciação diksa de Lakshmipati Thirta, Chaitanya Mahaprabhu recebeu diksa de Isvara Puripad e Advaita Acharya, de Madhavendra Puripad. Então Mahaprabhu disse que já que Nityananda era o mais sênior dos devotos, ele deveria ser o primeiro a oferecer flores aos pés de lótus de Vyasa Deva. Essa é a etiqueta vaishnava, os devotos seniores devem ser os primeiros a oferecer flores a Gurudeva ou a Vyasa Deva. Você deve sempre oferecer honras e respeitos aos devotos seniores.

(Nós estamos aqui na presença de Vyasa Deva prabhu, que é um  devoto muito sênior, discípulo de Srila Bhaktivedanta Swami Prabhupada... Seu nome também é Vyasa Deva, que é um nome muito doce!)

Então, Chaitanya Mahaprabhu ordenou Nityananda Prabhu a ser o primeiro a oferecer puspanjali a Vyasa Deva. Nityananda Prabhu então segurou uma guirlanda e se ajoelhou em frente a Vyasa Deva. Passaram-se cinco, dez, quinze minutos, mas Nityananda Prabhu não oferecia a guirlanda, apenas ficava a segurando nas mãos. Mahaprabhu então disse: “Oh, Sripad, oh, Nityananda, acabou o tempo! Já está ficando tarde, todos estão com fome! Ofereça logo essa guirlanda a Vyasa Deva!” e Nityananda respondeu: “Sim, sim, sim, eu já vou oferecer...”

Passaram-se mais quinze minutos e Nityananda Prabhu finalmente ofereceu a guirlanda a Sri Chaitanya Mahaprabhu. Então perguntaram a ele: “Por que você não ofereceu a Vyasa Deva? Por que ofereceu a Chaitanya Mahaprabhu?” e Nityananda Prabhu respondeu: “Porque Vyasa Deva é shakti-avesa-avatar, mas Chaitanya Mahaprabhu é diretamente Krishna. Ele é Sacinandana Goura Hari, o próprio filho de Nanda Maharaj! E Krishna é a Suprema Personalidade de Deus, svayam-bhagavan. Chaitanya Mahaprabhu e Krishna não são diferentes um do outro! Ele é sarva-avatari, a fonte de todas as encarnações. (Se eu explicar isso a vocês, vai demorar um pouco, pois esse tattva [verdade] é muito secreto e confidencial, difícil de se compreender.) Krishna é a Suprema Personalidade de Deus original e Nityananda Prabhu provou que Chaitanya Mahaprabhu é krsna-svayam-avatar, a fonte de todas as encarnações, sarva-avatariAssim, todos os devotos seguiram o exemplo de Nityananda Prabhu e também ofereceram as suas guirlandas primeiramente a Chaitanya Mahaprabhu e depois a Vyasa Deva. 

Krishna é Dwaipayana Veda Vyasa e Vyasa Deva escreveu os quatro Vedas: Rigveda, Yajurveda, Samadeva e Atarvaveda, escritos em sânscrito, sendo assim muito difícil de se compreender qual é o verdadeiro significado dos Vedas. Krishna explica esse katha a Arjuna no Bhagavad Gita. Há três ensinamentos nos Vedas: karma-kanda, jñana-kanda e bhakti-kanda. Diferentes pessoas têm diferentes gostos, por isso Vyasa Deva manifestou esses três caminhos nos Vedas. Muitos têm interesse por karma, por isso em alguns locais dos Vedas é dito que devemos realizar karma. Alguns têm interesse por jñana, então em algumas partes dos Vedas se explica como praticar jñana. E algumas pessoas têm interesse por bhakti, por isso nos Vedas também se explica o que é bhakti, o serviço devocional ao Senhor. 

Krishna diz a Arjuna no Bhagavad Gita:
trai-guṇya-viṣayā vedā
nistrai-guṇyo bhavārjuna
(Bhagavad Gita 2.45)
Os Vedas explicam em alguma partes sobre trai-guṇya, os três gunas (modos da energia material): sattva, raja e tama. Mas Krishna diz a Arjuna que ele deve estar além dos três gunas.

Portanto, há muitas coisas manifestadas nos Vedas, mas a maior parte das pessoas não consegue entender os Vedas, escritos em sânscrito. O sânscrito tem vários significados, mas qual é o significado perfeito? Vyasa Deva então pensou: “As pessoas não conseguem compreender os Vedas”, então ele manifestou os Upanishads. Há onze mil e oitenta Upanishads, com várias histórias e ainda assim as pessoas não conseguiam compreender. Vyasa Deva finalmente manifestou os Puranas. São dezoito Puranas e dentre eles, seis tratam de sattva, seis de raja e seis de tama-guna. E um Purana muito sattvico (no modo da bondade) é o Srimad Bhagavatam, chamado de o imperador do todos os Puranas. Ele foi o último Purana a ser compilado, e nele há um diálogo muito importante entre Vyasa e Narada, Vyasa-Narada-samvad.

Bolo Vyasa Deva Gosvamipada ki jay! 

Jay Jay Sri Radhe!

Transcrição: Manjari Priya Devi Dasi