1.4.18

AS GLÓRIAS DE SRILA VAMANA MAHARAJA

02/11/2016
Govardhan, Índia 
Mês de Kartika

Hoje é um dia muito auspicioso e super excelente, pois é o dia do desaparecimento de nitya-lila pravista om visnupada astottara-sata Sri Srimad Bhaktivedanta Vamana Gosvami Maharaja e também do desaparecimento de nitya-nila pravista om visnupada astottara-sata Sri Srimad Bhaktivedanta Trivikrama Gosvami Maharaja.

Hoje também realizamos a instalação do puspa-samadhi de Srila Gurudeva nitya-lila pravista om visnupada astottara-sata Sri Srimad Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja em Govardhana. 

Agora desejo falar um pouco sobre as glórias de meu guru-pada-padma, nitya-lila pravista om visnupada astottara-sata Srila Vamana Gosvami Maharaja e também a respeito de Srila Trivikrama Gosvami Maharaja.

Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja foi quem estabeleceu a Srila Gaudiya Vedanta Samiti, que é sustentada por três pilares: nitya-lila Bhaktivedanta Srila Vamana Gosvami Maharaja, Trivikrama Gosvami Maharaja e também nitya-lila pravista om visnupada astottara-sata Srila Narayana Gosvami Maharaja.

Às vezes, na nossa Gaudiya Vedanta Samiti, explicações são dadas sobre o seguinte sloka de Vyasadeva: 
guru brahma guru visnu 
gurudevo mahesvara 
guru saksah parabrahmam
tasmai sri gurave namaha 
(Garga-samhita 4.1.13 /Hari-Bhakti-vilas 4.139)
O significado perfeito desse verso é que gurudeva é como Brahma, Visnu e Siva. Gurudeva também é parabrahmam, pois ele reside no coração de todos os seres vivos, enquanto caitya-guru e, da mesma forma que Brahmaji cria o universo material, gurudeva cria suddha-bhakti, a devoção pura no coração de seus discípulos, através do mantra.
brahmanda bhramite kona bhagyavan jiva
guru-krsna-prasade paya bhakti-lata-bija
(Sri Caitanya-caritamrta, Madhya-lila, 19-151)
[“A entidade viva vaga por diferentes planetas em diferentes formas e corpos, mas se por acaso ela entrar em contato com um mestre espiritual genuíno, pela graça do mestre espiritual ela recebe o abrigo do Senhor Krsna e a sua vida devocional começa.”]

De acordo com o seu karma, todos os seres vivos estão vagando no ciclo de repetidos nascimentos e mortes, mas aquele ser que é extremamente afortunado se abriga aos pés de lótus do guru e dele recebe iniciação. O guru é quem semeia a bhakti-lata-bija, a semente de suddha-bhakti, no coração do discípulo. 


E qual é a semente de suddha-bhakti? Krsna-seva-vasana, o desejo de servir a Krsna. A alma condicionada não possui desejo algum de servir a Krsna, pois ela só deseja servir maya (maya-seva). Essa é a natureza da alma condicionada. Mas o guru inspira no coração do discípulo esse desejo de serviço a , afinal, essa é a natureza espontânea de todos os seres vivos, da qual estão esquecidos. Nós nos esquecemos de Krsna e por isso não desejamos servi-Lo, mas de tanto cantar os santos nomes e os mantras, um dia realizaremos como servir apropriadamente guru e Krsna. Por isso, guru-pada-padma é comparado a Brahma. 

O guru também é comparado a Visnu, pois o dever de Visnu é nutrir a todos os seres vivos e, da mesma forma, guru-pada-padma nutre o seu discípulo com muito amor e afeto, ensinando-o a como desenvolver o seu bhajana e sadhana. 

Gurudeva também é comparado a Mahesvara, Sivaji, pois assim como o dever de Siva é destruir, de maneira semelhante, o guru destrói todos os anarthas do coração de seus discípulos. Como? Por meio de seu poderoso hari-katha. 
bhidyate hrdaya-granthis
chidyante sarva-samsayah
ksiyante casya karmani
drtsta evatmanisvare
(Srimad Bhagavatam 1.2.21)
[“Assim, o nó do coração é desfeito e todas as concepções errôneas são quebradas em pedaços. A cadeia das ações fruitivas é terminada quando se enxerga a si mesmo como mestre.”]

Todos os nós, amarras e apegos as coisas materiais são pouco a pouco destruídos pelo poderoso katha do guru. Nós não queremos abandonar esses apegos, mas o hari-katha gradualmente nos desprende de todas essas coisas. Desse modo, gurudeva é também comparado a Mahesvara, Siva. 

Na nossa Gaudiya Vedanta Samiti, Srila Gurudeva, Vamana Gosvami Maharaja é comparado a Brahma, pois de acordo com as regras da nossa Gaudiya Vedanta Samiti, ele é quem havia sido encarregado de dar os diksa-mantras. Srila Narayana Gosvami Maharaja é comparado a Visnu, pois ele é quem nutre a todos os devotos, por meio de hari-katha e de seu amor e afeto. Quanto a Srila Trivikrama Gosvami Maharaja, o seu katha é muito poderoso.
Srila Bhaktivedanta Trivikrama Gosvami Maharaja

Srila Trivikrama Gosvami Maharaja tinha um katha muito poderoso, isso é verdade. Às vezes ele castigava diretamente. Se você ouvisse o katha dele, começaria a chorar e nunca mais apareceria na frente dele. 

Externamente, Srila Trivikrama Maharaja parece muito duro, mas por dentro o seu coração é muito macio e suave. 
vajrad api kathorani
mrduni kusumad api
lokottaranam cetamsi 
ko nu vijnatum isvarah
(CC Madhya 7.73)
[“Os corações daqueles que estão acima do comportamento comum são às vezes mais duros do que um raio e às vezes mais macios do que uma flor. Como acomodar tais contradições em grandiosas personalidades?”]

Embora externamente ele seja tão duro quanto um raio, o seu coração é macio como uma flor. Logo, esses são os três pilares da nossa Gaudiya Vedanta Samiti e hoje quero falar especialmente sobre Vamana Gosvami Maharaja. 

Ele nasceu na Bengala Ocidental, hoje chamada de Bangladesh. Sua mãe e ele uma vez foram ao Navadvipa-dhama parikrama, quando então se encontraram com Srila Bhaktisiddhanta Sarasvati Prabhupada. A partir desse momento ele se rendeu completamente aos pés de lótus de Prabhupada. Nessa época ele tinha sete ou oito anos de idade, era uma criança, mas rendeu-se por inteiro a Srila Prabhupada e dele recebeu harinama e uma japa-mala. 

O nome de Srila Gurudeva nessa época era Santosh, sendo que depois ele recebeu de Srila Bhaktisiddhanta o nome de Sajjan Sevaka brahmacari. Após fim do Navadvipa-dhama parikrama sua mãe disse a Srila Gurudeva que eles tinham de retornar para casa, em Bangladesh, mas a sua resposta foi: “Não quero voltar para casa, pois agora encontrei o meu verdadeiro pai, minha verdadeira mãe.”

Nosso sastra menciona esse verso:
sei se parama bandhu, sei pita-mata
sri-krsna-carane yei prema-bhakti-data
(Caitanya Mangala, Madhya-khanda)
Quem é meu verdadeiro pai? Minha verdadeira mãe? Aquele que me dá Krsna-bhakti, Krsna-prema.
sakala janme mata-pita sabe paya
krsna guru nahi mile, bhajaha hiyaya
(Caitanya Mangala, Madhya-khanda)
Srila Bhaktivedanta Vamana Gosvami Maharaja e
Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja
A cada vida eu obtenho uma mãe e um pai, isso é verdade, mas é muito raro obter o verdadeiro pai, a verdadeira mãe, que é aquele quem dá suddha-bhakti e o próprio Krsna. No Caitanya Bhagavata, Srila Vrindavana dasa Thakura dá explicações sobre esse sloka.

Mas, prosseguindo, Sajjan Sevaka brahmacari disse: “Eu não irei voltar para casa. Ficarei aqui”. Sua mãe não protestou contra isso e permitiu que ele ficasse com Srila Prabhupada.
gurur na sa syat sva-jano na sa syat
pita na sa syaj janani na sa syat
daivam na tat syan na patis ca sa syan
na mocayed yah samupeta-mṛtyum 
(Srimad Bhagavatam 5.5.18)
[“Aquele que não é capaz de liberar seus dependentes do caminho de repetidos nascimentos e mortes jamais deve se tornar um mestre espiritual, um pai, um esposo, uma mãe ou um semideus adorável.”]

Aquele que não é capaz de lhe dar suddha-bhakti, ele não é seu pai, sua mãe, nem mesmo o seu guru. Essa é a verdade. Então, Sajjan Sevaka brahmacari permaneceu em Mayapur e posteriormente passou a ser conhecido como Srila Vamana Gosvami Maharaja. Eu ouvi a história de vida dele diretamente da sua própria boca de lótus. Foi ele mesmo quem me contou esses fatos. Todos os dias, ele falava: “Diariamente eu aprendia vários slokas. Srila Prabhupada dava um ou dois slokas por dia e quem aprendesse aquele sloka ganharia um doce, como uma bala ou um chocolate”. Porém, ele todo dia aprendia cinco, seis, sete ou oito slokas. 

Se você aprende um sloka hoje, amanhã você já se esquece dele. Mas Gurudeva, Vamana Gosvami dizia: “Todos os dias eu aprendia sete ou oito slokas. Dessa forma, Srila Prabhupada me dava sete ou oito doces todos os dias”. 

Essa é grandiosa inteligência de Srila Gurudeva, o qual também sempre servia a todos os vaisnavas, da mesma forma que Narada Rsi. Se vocês lerem a história de Narada, perceberão a semelhança que há entre a forma como ele servia e a forma como meu Gurudeva servia os vaisnavas.

O próprio Mahaprabhu disse: “vaisnava seva, nama-sankirtana”, sirva os vaisnavas e cante os santos nomes.

Hare Krsna Hare Krsna
Krsna Krsna Hare Hare
Hare Rama Hare Rama 
Rama Rama Hare Hare

Gurudeva estava sempre servindo os vaisnavas. Ele mesmo contou o seguinte: “Todos os dias eu arranjava as asanas para os vaisnavas se sentarem, eu limpava as panelas para eles e honrava os remanentes de todos”. Isso é muito importante. Krishnadasa Kaviraja Gosvami explica: “Se você aceitar os remanentes dos vaisnavas…”
bhakta-pada-duli ara bhakta-pada-jala
bhakta-bhukta-avasesa—ei tina maha-bala
ei tina—seva haite krsna-prema haya
punah punah sarva-sastre phukariya kaya
(Sri Caitanya-caritamrta, Antya-lila 16.60-61)
[“A poeira dos pés de lótus dos devotos, a água que lava seus pés e os remanentes de sua maha-maha prasadam – esses três são muito poderosos. Ao servir esses três, se alcança Krsna-prema. Isso foi proclamado em todos os sastras repetidamente.”]

Se você realmente deseja alcançar perfeita suddha-bhakti, deve seguir três importantes princípios: aceitar a poeira dos pés dos vaisnavas, bhakta-pada-dhuli; aceitar os remanentes deles e também a água que lavou os seus pés. 

Ei tina-seva haite… A evidência desses versos estão presentes em todas as escrituras, nos Vedas, Puranas e Upanishads. 

bhakta-pada-duli… Se você tiver essas três coisas, então terá muita força para realizar bhajana e sadhana. Até mesmo Uddhava deseja obter a poeira dos pés dos vrajavasis. 
asam aho carana-renu-jusam aham syam
vrndavane kim api gulma-latausadhinam
ya dustyajam sva-janam arya-patham ca hitva
bhejur mukunda-padavim srutibhir vimrgyam
(Srimad Bhagavatam 10.47.61)
[“As gopis de Vrndavana deixaram de lado a associação de seus maridos, filhos e outros membros da família, o que é muito difícil de ser feito, e abandonaram o caminho da castidade a fim de tomarem abrigo nos pés de lótus de Mukunda, Krsna, que deve ser buscado através do conhecimento Védico. Oh, permita que eu seja afortunado o suficiente para ser um dos arbustos, trepadeiras ou ervas em Vrndavana, pois neleas as gopis pisam, os abençoando com a poeira de seus pés de lótus.”]

Carana-renu é a poderosa poeira dos pés dos vrajavasis, dos suddha-bhaktas, os vaisnavas. 

Gurudeva, Vamana Gosvami, todos os dias aceitava os remanentes dos vaisnavas.

Narotama dasa Thakura, escreveu esse verso no Prema Bhakti Chandrika, onde é dito que devemos aceitar os remanentes dos . Mas como devemos fazer isso? Com fé!

“Ó meu irmão, com fé, aceite os remanente dos vaisnavas.”

Havia tanto amor e afeição na relação de Srila Vamana Gosvami e Srila Narahari Prabhu. Naquela época, em Mayapur, o comandante do tempo chamava-se Narahari Prabhu. Srila Vamana Gosvami estava sempre junto dele, servindo-o.

Srila Bhaktisiddhanta Sarasvati Gosvami Prabhupada

Srila Vamana Gosvami havia sido matriculado por Srila Prabhupada em uma escola em Mayapur. Certo dia, estava chovendo muito forte e Gurudeva não conseguiu ir para a escola. Ele mesmo foi quem nos contou essa história. Suas roupas estavam todas molhadas, pois ele as tinha lavado. Vestindo apenas uma gamucha, ele ficou cortando vegetais junto com Narahari Prabhu, para preparar um sabji. Srila Prabhupada apareceu ali e perguntou a ele: “Sajjan, hoje você não foi a escola?”. Gurudeva então respondeu: “Hoje estava chovendo”. Afinal, como ele poderia ir para a escola sem suas roupas?

Srila Prabhupada disse: “Não, você deve ir”. Srila Gurudeva decidiu então que iria para a escola, mas ele não tinha roupa alguma, pois naquela época todos os brahmacaris possuíam apenas uma roupa. Não havia uma segunda peça de roupa. Gurudeva então se lembrou de Nrsimhadeva e orou a Ele: “Como seguirei a instrução de meu guru?”. Voltando para o seu quarto ele viu que todas as suas roupas estavam completamente secas e também passadas. Dessa forma, ele se vestiu e foi para a escola. Foi ele mesmo quem contou tudo isso.

Depois de duas horas, Srila Prabhupada foi falar com Narahari prabhu: “Onde está Sajjan Sevaka brahmacari?”. Narahari então disse que ele havia ido para a escola. Prabhupada perguntou: “Mas você me disse que as roupas dele estavam completamente molhadas”. Narahari não respondeu. 

Quando Sajjan Sevaka voltou da escola, Srila Prabhupada perguntou a ele: “Você me disse que as suas roupas estavam completamente úmidas, como foi então que você conseguiu ir a escola? Que roupas usou?”. Gurudeva respondeu: “Srila Prabhupada, eu simplesmente cantei o Nrsimha-mantra - Srila Prabhupada o havia iniciado também nesse poderoso mantra, quando deu a ele harinama - e quando entrei no meu quarto lá estavam todas as minhas roupas completamente secas”. Ao ouvir isso, o coração de Srila Prabhupada se derreteu por completo e lágrimas escorreram em seu rosto. Ele disse: “Como Nrsimhadeva tem amor e carinho por Seus devotos!”.

Bolo Nrsimhadeva Bhagavan ki jai!

Nrsimhadeva é chamado Bhakta-vatsala, pois possui muito carinho e afeto por Seus devotos. Gurudeva diversas vezes nos disse que se você estiver passando por qualquer problema ou calamidade, deve simplesmente se lembrar de Nrsimhadeva. Se você cantar o Nrsimha-mantra com fé firme, todos os seus problemas serão resolvidos.

[Um devoto pergunta: Que mantra é esse?]

É um mantra específico que você recebe diretamente do guru. Ele não deve ser recitado publicamente. Você pode até chamar Nrsimha ou cantar uma invocação a ele, mas o mantra não deve ser mencionado em público. Por exemplo, se eu disser que vocês tem de cantar o guru-mantra, alguém irá me perguntar: “qual é o guru-mantra?” mas eu não posso dizer isso abertamente, ainda mais segurando um microfone. Simplesmente cantem o guru-mantra!

Mas, retomando, Srila Prabhupada mencionou como Nrsimhadeva é Bhakta-vatsala e tem tanto amor e afeto pelos Seus devotos. Isso é verdade. Srila Gurudeva permaneceu em Mayapur e depois que Bhaktisiddhanta Prabhupada partiu, várias coisas aconteceram por lá, pois essa é a natureza. Toda vez que um grande acarya abandona esse mundo, várias perturbações começam a ocorrer. Tudo vira de ponta cabeça e várias pessoas começam a ir de um lado a outro.

Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja
Naquela época, Srila Gurudeva estava sempre junto de Kesava Gosvami Maharaja, que por sinal ainda não havia tomado sannyasa, logo, o seu nome era Vinoda Bihari brahmacari. Foi Kesava Gosvami Maharaja quem deu a Gurudeva. O próprio Gurudeva nos contou isso. Eles ficavam sempre juntos.

Mais tarde, Vinoda Bihari tomou sannyasa com Bhakti Raksak Sridhar Gosvami Maharaja e recebeu o nome Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja. Srila Gurudeva permaneceu com ele, que junto de outras duas pessoas fundou a Gaudiya Vedanta Samiti. Eles eram Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja, Bhaktivedanta Vamana Gosvami Maharaja (que era Sajjan Sevaka brahmacari), o tio de Gurudeva, chamado Narasimha Maharaj e Abhay Charan D. (o qual mais tarde se tornou Bhaktivedanta Svami Maharaja). Mais tarde, depois de estabelecida a matha, Shrila Trivikrama Gosvami Maharaja se juntou a ela e alguns anos depois, Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja também se uniu a Gaudiya Vedanta Samiti. Essa é uma breve história da matha. 

Srila Gurudeva sempre servia Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja. Ele estava sempre prestando diferentes serviços, como cozinhar, escrever, etc. Srila Bhakti Prajnana Kesava ditava e Vamana Gosvami Maharaja escrevia. Depois disso, os manuscritos iam para a gráfica e no dia seguinte já estavam impressos, sem precisar passar por qualquer edição ou checagem.

A letra de mão de Vamana Gosvami Maharaja é perfeita. Não se vê algo parecido. Sua escrita é tão bela, como se fossem pérolas. Srila Gurudeva, Narayana Gosvami Maharaja várias vezes glorificou Srila Vamana Gosvami Maharaja, por sua inteligência e pela perfeição e beleza com que escrevia. Tudo o que vem de Srila Vamana Gosvami Maharaja é perfeito.

De manhã narrei como Srila Narayana Gosvami Maharaja se encontrou com Srila Gurudeva, Vamana Gosvami Maharaja, e se uniu a Gaudiya Vedanta Samiti. Quando Narayana Gosvami Maharaja abandonou a sua casa e chegou a Navadvipa-dhama, Vamana Gosvami Maharaja o buscou na estação de trem. Naquela época, o nome de Srila Gurudeva, Narayana Gosvami Maharaja, era Goura Narayana. Inclusive, Vamana Gosvami Maharaja é quem guiou Srila Gurudeva no serviço ao seu guru, Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja. Gurudeva nos dizia: “Oh, Vamana Maharaja tinha tanto amor e afeto por mim. Ele jamais ficava bravo com alguém e sempre falava muito pouco”. 

De fato, nós testemunhamos como Gurudeva, Vamana Maharaja, não era de falar muito. Ele jamais jogava conversa fora e estava sempre absorto em servir Sri Guru e os vaisnavas. Além disso, ele era tão inteligente, uma vez que aprendia um sloka, jamais o esquecia. Os Gaudiya vaisnavas deram a ele o título de 'dicionário Gaudiya'. Se você quer saber sobre qualquer referência, sloka ou alguma outra coisa, você precisa de um dicionário. Porém, qualquer coisa que perguntasse a Sajjan Sevaka brahmacari, nosso Vamana Gosvami Maharaja, ele certamente daria a indicação precisa: “Esse sloka está neste grantha e nesta página”. Até mesmo a página ele sabia. A memória dele era muito poderoso, jamais falhava. Ele nem mesmo editava o que escrevia, simplesmente escrevia o livro e já imprimia. 

Um dia nós perguntamos para Gurudeva, Vamana Gosvami, quantos slokas ele sabia. A resposta dele foi: “Se eu passar sete dias e sete noites recitando todos os slokas que sei, ininterruptamente, ainda teriam slokas por recitar”. Alguém consegue imaginar isso? Então nós perguntamos: “Gurudeva, para você decorar um sloka, quantas vezes você o estuda e repete?”. 

[Gurudeva começa a exemplificar a memorização de um sloka]

dharma-ksetre kuru-ksetre 
dharma-ksetre kuru-ksetre 
dharma-ksetre kuru-ksetre 
dharma-ksetre kuru-ksetre 
kuru-ksetre dharma-ksetre... pronto, já se esqueceu.
dharma-ksetre kuru-ksetre 
samaveta yuyutsavah
mamakah pandavas caiva 
kim akurvata sanjaya 
(Bhagavad Gita 1.1)
[“Oh, Sanjaya, depois que meus filhos e os filhos de Pandu se reuniram no local de peregrinação em Kuruksetra, desejando lutar, o que eles fizeram?”]

Por tanto repetir o sloka, chega uma hora em que a ordem dele se inverte. Não é assim? 

Gurudeva, Vamana Maharaja, então nos respondeu: “Simplesmente olhando um sloka uma única vez eu o memorizo e jamais se esqueço dele. Não preciso ficar repetindo”. Além disso, Gurudeva jamais se esquecia de alguém. Quando se encontrava com uma pessoa novamente, ele sabia o dia, o lugar e a hora em que haviam se encontrado anteriormente. Ele sempre demonstrava muito amor e carinho com todos os brahmacharis, especialmente com nosso Gurudeva, Narayana Gosvami Maharaja. Eu contei isso para vocês de manhã.

Gurudeva (Narayana Maharaja) disse que Vamana Gosvami Maharaja o nutriu como se fosse o seu pai e sua mãe. “Tudo que eu precisava, Vamana Gosvami Maharaja providenciava. Estávamos sempre juntos e foi ele me ensinou a cozinhar.”

Gurudeva, Narayana Maharaja, havia trabalhado como inspetor de polícia em uma delegacia, logo, era uma pessoa muito estrita. Ele mesmo nos contou que às vezes ele ficava um pouco bravo, mas quanto a Srila Vamana Gosvami Maharaja, ele nunca o viu ficar bravo com alguém. Vamana Gosvami Maharaja estava sempre muito calmo, silencioso e todas as 26 qualidades de um vaisnava, krpalu, akrta-droha, satya-sara sama... (CC Madhya 22.78-80), estavam presentes em seu coração. 

Goura Premanande! Hari hari bol!
Srila Vamana Gosvami Maharaja ki jay!
Srila Trivikrama Gosvami Maharaja ki jay!
Tirobhava thithi ki jay!
Goura bhakta vrinda ki jay!
Goura Premanande Hari Hari Bol!
Jay Srila Gurudeva ki jay!

Transcrição: Vraja-sundari Devi Dasi
Revisão: Gaura Hari Dasa