Srila Bhakti Prajnana Kesava Maharaja

05/10/2017
Vrndavana

Trasmitido ao vivo aqui

Dia do desaparecimento de nitya lila pravista om visnupada astottara sata Sri Srimad Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja e início do mês de Kartika.


Hoje é um dia muito auspicioso e super excelente, Saradiya rasa purina, e é também o dia do desaparecimento de nosso param-gurudev nitya lila pravista om visnu pada astottara sata Sri Srimad Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaj e, portanto, nós iremos celebrar o seu viraha mahotsava. Qual é o significado de viraha?  Essa palavra em sânscrito é composta de vi, que significa “especial” e raha, cujo significado é “milana - encontro”. Logo, esse é um encontro especial, o dia do desaparecimento de Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja, o qual partiu desse mundo material para se encontrar com as gopis e sua Svamini Srimati Radhika na dança da rasa. Em sua forma constitucional eterna e transcendental - siddha-deha - como Vinoda manjari, ele serve o casal divino Sri Sri Radha Krsna. Hoje, então, nós também estamos celebrando e relembrando os seus doces passatempos, realizados em suas duas formas. Uma se chama sadhaka-rupena e outra siddha-rupena catra hi.

Srila Rupa Gosvamipada descreveu no Bhakti-rasamrta-sindhu tanto sadhaka-rupena [a forma do devoto neste mundo, prestando serviço enquanto sadhaka] quanto também siddha-rupena [a forma espiritual transcendental e eterna do devoto]. 

Em sua forma de sadhaka, ele nos ensinou como um sadhaka comum deve realizar seu bhajana e sadhana, para que assim possa alcançar a meta mais elevada: Krsna-prema. Quanto a siddha-rupena, de acordo com a sua forma constitucional transcendental - siddha-deha -  ele também serve a sua ista-deva, o casal divino Radha e Krsna na dança da rasa. No entanto, nós iremos primeiro descrever brevemente a vida de Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja em sua sadhaka-rupena, pois assim poderemos oferecer puspanjali aos seus pés de lótus, por meio da glorificação dos seus passatempos divinos.

Srila Bhakti Prajnana nasceu no leste da Bengala, na atual Bangladesh. Na universidade ele aprendeu todas as escrituras: Vedas, Puranas e Upanisads, mas quando ele leu a seguinte explicação de Krsnadas Kaviraj Gosvami no Caitanya Caritamrta: jivera ‘svarupa’ haya krsnera ‘nitya dasa’ [“Todos os seres vivos são servos eternos de Krsna.” (Caitanya Caritamrta, Madhya 20.108)], ele passou a questionar os seus professores. Mesmo no Srimad Bhagavad Gita, Krsna explica isso de forma muito clara a Arjuna: mamaivamso jiva-loke/jiva-bhutah sanatanah [...] [“Todos os seres vivos condicionados a este mundo são as Minhas partes fragmentárias eternas e transcendentais.” (Bhagavad Gita 15.7)]

Mas nesta época, havia uma influência predominantemente impersonalista entre os professores da universidade e eles - advaitavadis - não aceitam que Krsna detenha qualquer potência. Eles aceitam Brahma, mas não aceitam que Brahma possua potência (sakti). Por essa razão, Vinoda Bihari brahmacari [Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja] perguntou ao seu professor:

“Você diz que Brahma não tem potência e nem mesmo uma forma, mas no Srimad Bhagavad Gita é dito claramente: mamaivamso jiva-loke/jiva-bhutah sanatanah  [...] (Bhagavad Gita 15.7) Todos os seres vivos são minhas partes e parcelas. Isso significa que todos os seres vivos advém da potência do Senhor, bhagavat-sakti. E no Caitanya Caritamrta, Srila Krsnadas Kaviraj Gosvami explica claramente: jivera ‘svarupa’ haya krsnera ‘nitya dasa’ (Caitanya Caritamrta, Madhya 20.108) Todos os seres vivos são servos eternos de Krsna. E krsnera ‘tathasta sakti’ - aqui é explicado muito claramente, a potência marginal (tathasta-sakti) é chamada de krsna-sakti, ou seja, Krsna possui uma potência marginal. Também é claramente explicado: bheda e abheda, ou seja, existe diferença e igualdade simultânea entre Krsna e os seres vivos. No entanto, você está dizendo que Krsna não tem potência e que todas as jivas são Brahma.” 

Os advaitavadis sustentam a teoria de que “eka brahma dvitiya nasti/jiva brahmaiva na parah” - isso significa que Brahma é um, não há outras coisas, ou seja, Brahma é não dual (advitiya) e desprovido de potência (sakti), logo, não existem outros seres vivos (jivas); não há mais nada [além de Brahma]. Eles dizem que as jivas são o próprio Brahma que se iludiu por maya, está coberto por maya e, portanto, agora se identifica como jiva. Porém, quando essa ilusão desaparecer, então concluíremos: “Eu não sou jiva, eu sou Brahma!” Mas nesse verso - krsnera ‘tatastha-sakti’ bhedabheda-prakasa - Srila Krsnadas Kaviraj Gosvami explica claramente: bedha e abheda, ou seja, há simultaneamente a diferença (bheda) e a não-diferença (abheda).

O Srimad Bhagavatam também dá evidências disso em muitos slokas.
visnu-saktir para prokta
ksetrajñakhya tatha para
avidya-karma-samjñanya
trtiya saktir isyate
“A potência interna do Senhor Supremo, Visnu, é espiritual, conforme afirmado pelos sastras. Há ainda outra potência espiritual, conhecida como ksetra-jñana ou os seres vivos. A terceira potência, que é conhecida como nesciência, torna os seres vivos ímpios/ateístas e os ocupa em atividades fruitivas.” (Visnu purana 6.7.61)]

No Visnu Purana e em outros Puranas também são dadas evidências. O Senhor Visnu tem uma potência transcendental, para-sakti, além de também possuir jiva-sakti e maya-sakti, ou seja, cit-saktijiva-sakti e maya-sakti. Em todos os Vedas, Puranas e Upanisads explica-se que o Senhor detém potência. 

[Dessa forma, Srila Bhakti Prajnana questionou o professor:] “Você está dizendo que Krsna não tem sakti e nem mesmo forma, mesmo diante de todas essas evidências? O Srimad Bhagavatam deixa claro que o Senhor possui forma.”
barhapitam nata-vara-vapuh karnayoh karnikaram
bibhrad vasah kanaka-kapisam vaijayantim ca malam
randhran venor adhara-sudhayapurayan gopa-vrndair
vrndaranyam sva-pada-ramanam pravisad gita-kirtih
[“Usando um enfeite de pena de pavão sobre a cabeça, flores karnikara azuis nas orelhas, uma roupa amarela tão brilhante quanto o ouro e a guirlanda Vaijayanti, o Senhor Krsna exibia Sua forma transcendental como o maior dos dançarinos ao entrar na floresta de Vrndavana, embelezando-a com as marcas de Suas pegadas. Ele enchia os buracos de Sua flauta com o néctar de Seus lábios e os vaqueirinhos cantavam Suas glórias.” (Srimad Bhagavatam 10.21.5)]

A lindíssima forma do Senhor é descrita nesse verso. Barhapitam -  Em Seu turbante há uma pena de pavão e Ele caminha por Vrndavana com os Seus amigos Subhala e Sridhama. Por meio de Seu olhar de soslaio, Ele cativa o coração de todos os seres vivos, incluíndo as gopis. Vaijayantim malam - Ele também é enfeitado com uma linda guirlanda, preparada pelas gopis, feita com cinco tipos de flores.

Dessa forma, Vinoda Bihari brahmacari argumentou com o seu professor o qual não foi capaz de dar nenhuma resposta. Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaj então deixou a universidade e foi para Mayapur, onde se encontrou com Srila Bhaktisiddhanta Sarasvati Prabhupada. Todas as filosofias então foram muito belamente explicadas por Prabhupada: advaitavadidvaitavadisudha advaitavadivisista advaitavadidvaitadvaitavadi e também toda a filosofia Vaisnava, conforme os Vedas, Puranas e Upanisads. Isso satisfez Vinoda Bihari brahmacari, o qual então se entregou completamente e de maneira absoluta aos pés de lótus de Srila Bhaktisiddhanta Sarasvati Gosvami Prabhupada e assim recebeu o nome de Vinoda Bihari brahmacari. A partir daí ele começou a gerenciar todas as propriedades de Prabhupada.

Externamente suas atividades eram como as de um visayi, ou seja, de um materialista; às vezes ele não usava tilaka e ninguém sabia quando ele cantava os santos nomes. Por esse motivo, os seus irmãos espirituais começaram a reclamar para Bhaktisiddhanta Prabhupada: “Vinoda Bihari fica no templo mas não segue as regras. Ele não passa tilaka, não canta os santos nomes e só se dedica a administrar as posses materiais de Prabhupada, indo ao tribunal, etc.”

Bhaktisiddhanta Prabhupada então disse: “Vocês são tolos. Jamais reclamem dele, pois ele é um siddha mahapurusa.”

Na verdade, Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaj (Vinoda Bihari brahmacari) cantava os santos nomes a noite, quando todos estavam dormindo profundamente, talvez entre uma hora da madrugada até as três, então como todos estavam dormindo, não podiam saber que ele cantava os santos nomes e por isso reclamavam. E às vezes ele não usava tilaka, porque talvez estivesse muito ocupado, pois tinha que comparecer ao tribunal. E ele também cavalgava um lindo cavalo preto.

Quando ele tinha que cruzar o rio, ao invés de pagar uma rúpia ao barqueiro, [como era feito por todos] ele lhe pagava dez rúpias. Por esse motivo, todos os barqueiros o chamavam: “Vinoda babu, venha em meu barco!” E quando ele ia andar de rickshaw, o motorista cobrava dez rúpias, mas ele pagava quinze ou até mesmo vinte rúpias. Os seus irmãos espirituais, sabendo disso, iam reclamar para Bhaktisiddhanta  Prabhupada: “Você nos pede para coletar dinheiro e dar a você, mas Vinoda Bihari brahmacari está gastando dinheiro à toa!”

Então Bhaktisiddhanta Prabhupada respondeu: “Se vocês reclamarem novamente de Vinoda Bihari, vocês irão todos para o inferno. Porque vocês não podem compreender as atividades externas de um siddha-mahatma (alma perfeita)”.

Quem é mais elevado, o visaya praya ou o vaisnava praya? O visaya praya, pois ele parece um materialista, mas seu coração está absorto por completo em krsna-prema. Já o vaisnava praya é aquele que parece como um Vaisnava, passa tilaka, usa kanti mala e canta os santos nomes, no entanto tem uma mentalidade completamente materialista, de desfrutar da gratificação dos sentidos.

Srila Bhakti Prajnana Kesava era um visaya praya, logo tentem se tornar visaya praya, ao invés de vaisvana praya. Embora ser vaisnava praya pareça melhor, na verdade é completamente o oposto disso!

Portanto, era dessa forma que Vinoda Bihari brahmacari servia o seu gurudeva. Como Prahlada Maharaj disse: 
guru-susrusaya bhaktya
sarva-labdharpanena ca
sangena sadhu-bhaktanam
isvararadhanena ca
[“É preciso aceitar o mestre espiritual fidedigno e prestar-lhe serviço com grande devoção e fé. Tudo o que alguém tem em posse deve ser oferecido ao mestre espiritual e, na companhia de devotos e pessoas santas deve-se adorar o Senhor.” (Srimad Bhagavatam 7.7.30)]

Nossa vida deve ser completamente dedicada aos pés de lótus do guru e buscar servir guru e Vaisnavas. Seguindo isso, você deve realizar bhajana e sadhana e assim alcançar a meta perfeita da vida. Isso é muito importante. Vocês devem ser unidirecionados, conforme Srila Bhakti Prajnana demonstra em sua história de vida, a qual eu citei apenas alguns pontos.

Após a partida de Srila Prabhupada, houve muitos problemas, pois essa é a natureza deste mundo material. Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaj deixou Mayapur sem levar um centavo sequer. Ele partiu de mãos vazias para Navadvipa dham e lá estabeleceu uma sociedade chamada Gaudiya Vedanta Samiti.

Nessa Gaudiya Vedanta Samiti participavam quatro pessoas: Narasimha Maharaja [Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja], Srila Vamana Gosvami Maharaja - que naquela época se chamava Sajjana Sevaka brahmacari - e Abhay Caran De (Bhaktivedanta Svami Maharaja), que na época era um homem de negócios e não um sannyasi. Assim, a Gaudiya Vedanta Samiti foi semeada por quatro personalidades proeminentes: Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja, Narasimha Maharaja, Abhay Caran De e Sajjana Sevaka brahmacari.

Nesse período, Bhakti Prajnana se dedicou a pregação e pensava sobre como iria manter o templo. Porém, devagar, passo a passo, alguns devotos foram surgindo e se unindo à sociedade. 

Certa vez, um irmão espiritual de Bhakti Prajnana Maharaja chegou ao templo em um dia de ekadasi. A regra do templo nos dias de ekadasi era de que se devia observar nirjala ekadasi (jejum completo), porém aquele irmão espiritual desejava muito honrar prasada; ele estava seguindo o ekadasi, mas não o jejum completo. Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja então pensou: “Meu irmão espiritual está aqui. O que farei agora? Como poderei servi-lo?”

Então ele permaneceu sentado, cantando os santos nomes e exatamente naquele momento um pequeno pássaro passou e derrubou algo em sua frente. Quando ele abriu os olhos, viu que haviam algumas moedas ali, e então ele declarou: “Hoje não é necessário seguir nirjala ekadasi!”

Assim, eles compraram batatas, algumas coisas para cozinhar, e então prepararam um belíssimo festival. Dessa forma, ele provou que Krsna faz todos os arranjos para aquela pessoa que é completamente rendida a Ele.
ananyas cintayanto mam
ye janah paryupasate
tesam nitabhiyuktanam
yoga-ksemam vahamy aham
[“Mas aqueles que sempre Me adoram com devoção exclusiva, meditando na Minha forma transcendental - a eles eu trago o que lhes falta e preservo o que possuem.” (Bhagavad Gita 9.22)]

Se você for unidirecionado a Krsna, Krsna arranjará tudo para você. Portanto, você deve ser unidirecionado a guru e Krsna. A história de vida de Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja demonstra isso.

Depois, em 1951, Srila Trivrikrama Gosvami Maharaj se uniu a Gaudiya Vedanta Samiti e depois Srila Gurudeva Narayana Gosvami Maharaja também. Aos poucos muitos devotos foram chegando e assim ele [Bhakti Prajnana] pregava. E ele também estabeleceu o templo de Chuchura [Chinsurah] e o brhat mrdanga (a distribuição de livros), pois quando você prega é assim. 

Há dois tipos de guru sevavani seva e vapu sevaVani seva significa pregar a mensagem de guru e Krsna, logo é um seva muito importante. Guru seva também é importante, mas você deve dar ênfase a vani seva, que é o brhat mrdanga seva. Bhaktisiddhanta Prabhupada disse que se você tocar uma mrdanga, o som alcançará um raio de apenas cinco, dez ou vinte metros, não mais que isso. Mas brhat mrdanga, a publicação e distribuição de livros pode alcançar o mundo inteiro. Isso é brhat mrdanga seva, é muito importante. Por isso sempre enfatizo que todos devem pregar, realizando brhat mrdanga seva.

Como nós devemos pregar? Certa vez Gurudeva [Srila Narayana Gosvami Maharaja] nos contou como um devoto se aproximou dele e disse: “Gurudeva, eu tenho pregado muito bem”, e então Srila Gurudeva lhe perguntou: “Como assim muito bem? O que você tem feito? O que tem pregado?” e ele respondeu: “Muitas pessoas vem aos encontros, escutam hari-katha, comem e dormem”, e então Gurudeva explicou: “Isso não é a pregação perfeita, pois a pregação perfeita traz duas coisas: o poder dos homens e o poder financeiro”. 

Gurudeva explica isso muito claramente, você pode ler a respeito. O que é a pregação? Quantas pessoas você consegue inspirar no seu hari-katha? E também a recebere diksa mantra e harinama?  E quantas você traz para a nossa sanga? Esse é o “poder dos homens”. Já o poder financeiro, (isso foi Gurudeva quem disse, não são as minhas palavras) embora nós não estejamos interessados em dinheiro, quando alguém doa dinheiro de forma expontânea, esse dinheiro é usado no serviço a guru e Vaisnavas. 

Por exemplo, vocês vem aqui [para participar do Vraja-mandala Parikrama], mas se não houvesse templo, onde vocês iriam dormir? E se não tivesse um ventilador aqui no quarto, iria ficar muito quente e todos vocês iriam embora. Então o dinheiro é necessário ou não?

Às vezes algumas pessoas falam: “Mas por que o sadhu precisa de dinheiro?” E por que o sadhu não precisa de dinheiro? Às vezes as pessoas materialistas perguntam: “Por que o sadhu está pedindo dinheiro?” Por que não? Por exemplo, essa bateria [Srila Guruvev aponta para a bateria do microfone] não é necessária? De onde ela vem? Nada é de graça! Os ocidentais pregam [fazem anúncios como]: “Compre um e leve outro de graça”, mas na verdade ninguém dá nada de graça! Tente dizer: “Tudo bem, mas eu quero somente o que é gratuito” e vão te responder: “Não, primeiro você tem que comprar”. Nada é de graça.

Então Srila Gurudeva disse isso, que se alguém afirmar: “Oh! Estou pregando tão bem!”, mas o que ele está pregando? Onde está o poder dos homens e o poder financeiro? Quantas pessoas estão vindo, quantas estão se juntando à nossa consciência de Krsna, quantas estão sendo inspiradas? Assim deve ser nossa pregação.

Esse é o exemplo de Bhaktivedanta Svami Maharaja: ele foi aos países ocidentais e em apenas dez anos espalhou a consciência de Krsna pelo mundo todo. Em todo vilarejo, em toda cidade,  em todo município: ISKCON, ISKCON, ISKCON. Onde não há ISKCON? Talvez até mesmo aqui seja uma ISKCON. Gurudeva disse: “Nós também pertencemos a ISKCON!” Afinal, o próprio Srila Bhaktivedanta Svami Maharaja pertencia a Gaudiya Vedanta Samiti.

Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja é chamado de ‘Acarya Kesari’, ou seja, ele é um poderoso acarya. Sua pregação amedrontava a todos, pois ele era muito poderoso, por isso o chamavam de Acarya Kesari. ‘Kesari’ é um tigre muito feroz e quando um tigre salta sobre alguém, a morte é certa. De forma semelhante, se alguma pessoa atacasse a filosofia de Bhaktisiddhanta Sarasvati Prabhupada, Bhakti Prajnana rugia contra ela. Há vários artigos que ele escreveu contra a babaji sampradaya, a sahajiya sampradaya, os sakhi-bheki, etc.

Hoje, portanto, é um dia super excelente e auspicioso. Nós oramos para Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja, param guru maharaja, Srila Gurudeva, para que esses tipos de inspiração, potência (sakti) possam adentrar os nossos corações, para que assim possamos pregar pelo mundo inteiro e cantar os santos nomes:

Hare Krsna Hare Krsna 
Krsna Krsna Hare Hare
Hare Rama Hare Rama 
Rama Rama Hare Hare 

Transcrição: Manjari Priya Devi Dasi
Revisão: Gaura Hari Dasa, Vraja Sundari Devi Dasi